Bahia

TJ-BA instaura sindicância para investigar mulher detida após chamar polical de 'macaco'

Libânia Maria Dias Torres é escrivã do TJ-BA na comarca de Curaçá

[TJ-BA instaura sindicância para investigar mulher detida após chamar polical de 'macaco']
Foto : Divulgação

Por Geovana Oliveira no dia 25 de Setembro de 2020 ⋅ 15:00

O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) instaurou hoje (25) sindicância para investigar a servidora da casa, Libânia Maria Dias Torres, presa em flagrante no dia 16 deste mês após dar um tapa no rosto de um policial militar e chamá-lo de "macaco". O episódio aconteceu em ação para deter a idosa, de 64 anos, que agredia a companheira.

Na portaria, o desembargador Osvaldo de Almeida Bomfim, corregedor das comarcas do interior do TJ-BA, afirma que a conduta da servidora "implica em procedimento público incorreto, nos termos do art. 265, II, alínea c, (procedimento público incorreto ou indecoroso, desde que a infração não seja punida com pena mais grave)".

Libânia é escrivã do TJ-BA na comarca de Curaçá. No perfil do Instagram, o PT da cidade afirmou que as palavras ditas não foram racismo, mas fazem parte da  "cultura nordestina e Curaçaense, herdada de Lampião". O PT da Bahia divulgou ontem (24) pronunciamento em que rechaça a nota.

Notícias relacionadas