Bahia

Rui Costa e mais dez governadores traçam agenda com a União para 2016

O governador da Bahia, Rui Costa, esteve entre os 11 chefes do Executivo Estadual, que participaram de reunião, nesta segunda-feira (28), em Brasília (DF). O encontro serviu para que os governadores definissem pontos comuns com o governo federal para que 2016 seja um ano de superação, frente à crise econômica de 2015. [Leia mais...]

[Rui Costa e mais dez governadores traçam agenda com a União para 2016]
Foto : Divulgação/Secom/GOVBA/Camila Peres

Por Matheus Simoni no dia 28 de Dezembro de 2015 ⋅ 18:20

O governador da Bahia, Rui Costa, esteve entre os 11 chefes do Executivo Estadual, que participaram de reunião, nesta segunda-feira (28), em Brasília (DF). O encontro serviu para que os governadores definissem pontos comuns com o governo federal para que 2016 seja um ano de superação, frente à crise econômica de 2015. O primeiro encontro aconteceu na residência oficial do governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, articulador da agenda.

Na sequência, o grupo de governadores se dirigiu ao ministério da Fazenda, onde apresentou a pauta ao ministro Nelson Barbosa. "Viemos buscar alternativas de financiamento para áreas como saúde e educação, buscar recursos que viabilizem a retomada do investimento de infraestrutura, através de PPP [Parceria Público-Privada], [... e] recursos para fundos garantidores", afirmou Rui.

O governador baiano disse ainda que o diálogo entre os chefes estaduais deve continuar e que considera importante manter essa soma de esforços em prol da recuperação da capacidade de o País e os estados voltarem a crescer. Segundo Rui Costa, o ministro Barbosa indicou que pretende contar com o apoio do grupo para a aprovação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) no Congresso Nacional, logo no início de 2016, e uma nova reunião no Ministério da Fazenda será agendada para o começo de fevereiro. "Também conversamos sobre o comprometimento dos governadores em apoiar projetos que façam reforma da legislação, buscando viabilizar recursos para a saúde [e] para a educação", declarou. 

Notícias relacionadas