Bahia

Presidente do IGHB pede volta do ensino de história da Bahia nas escolas

O presidente do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB), Eduardo Morais de Castro, falou da importância do retorno do ensino de história da Bahia nas escolas do estado, em entrevista à Rádio Metrópole. [Leia mais...]

[Presidente do IGHB pede volta do ensino de história da Bahia nas escolas]
Foto : Valter Pontes/ Agecom

Por Matheus Morais no dia 15 de Janeiro de 2016 ⋅ 08:59

O presidente do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB), Eduardo Morais de Castro, falou da importância do retorno do ensino de história da Bahia nas escolas do estado, em entrevista à Rádio Metrópole. Segundo Moraes, o pedido foi feito ao governado Rui Costa (PT), que se animou e consentiu. “Tive que fazer um pronunciamento na Lapinha, em uma oportunidade, pedi o retorno do ensino de história da Bahia nas escolas estaduais, preliminarmente, ao governador Rui Costa. Ele pediu que eu procurasse o secretário de Educação. Procurei o secretário de Educação, formamos um grupo de trabalho, e sobre o assunto, dentre em breve, estaremos lançando um livro sobre o Dois de Julho. O governador me garantiu que isso acontecerá, esse retorno do ensino da história da Bahia”, afirmou. 

 Nenhum país é livre quando tem tropas hostis dentro de seus espaços, e a Bahia tinha. Somos muito humildes em não divulgar a nossa história. A independência do Brasil aconteceu em 2 de julho de 1823“, completou Morais.

Sobre os projetos do IGHB para 2016, Morais afirmou que o instituto está concluindo toda a restauração da rede elétrica do órgão. “Temos ar-condicionado, computadores, equipamentos para preservar os livros e o nosso acervo, por isso é importante terminar essa reforma. Aquela imponência que você vê quando entra no Instituto é o seguinte: trata-se do primeiro prédio em concreto armado na Bahia. Nós precisamos recuperar a cúpula que temos no nosso prédio, estamos precisando de manutenção, aquilo virou um observatório. Precisamos também criar um circuito histórico na Bahia, onde as pessoas percorram e conheçam as coisas da cidade, como existe no exterior”, ressaltou. 

Notícias relacionadas