Bahia

"Não estamos medindo esforços", afirma subsecretário sobre combate ao Zika

Durante a coletiva para discutir as ações de combate ao mosquito Aedes aegypti, na manhã desta sexta-feira (12), o subsecretário de Saúde do estado e médico infectologista, Roberto Badaró, afirmou que a ação, que será iniciada neste sábado (12) em 13 cidades baianas, depende de instrumentos e que o Estado da Bahia não está medindo esforços. [Leia mais...]

[
Foto : Tácio Moreira / Metropress

Por Camila Tíssia e Matheus Morais no dia 12 de Fevereiro de 2016 ⋅ 10:15

Durante a coletiva para discutir as ações de combate ao mosquito Aedes aegypti, na manhã desta sexta-feira (12), o subsecretário de Saúde do estado e médico infectologista, Roberto Badaró, afirmou que a ação, que será iniciada neste sábado (12) em 13 cidades baianas, depende de instrumentos e que o Estado da Bahia não está medindo esforços. 

"O Ministério da Saúde junto com o Ministério da Defesa construíram a ação com ajuda de nossos técnicos. A convocação das forças armadas é muito importante. Porque o mosquito também transmite a febre amarela. Estamos fazendo uma coisa que Osvaldo Cruz já fez no país com muito sucesso. Nós estendemos em mais de 60 municípios, os que mais têm foco. O papel do estado é providência o que não está disponível em todos os município", disse.

Badaró falou também sobre o aplicativo "Caça Mosquito" que, segundo ele, é muito importante e ajuda no combate aos focos. "Já estamos utilizando. Temos que entender e chamar para si a responsabilidade de combater o mosquito. Ele foi lançado no inicio de jananeiro e ja tivemos 10 mil downloads e ate março pretendemos ter 1 milhão de usuários. Dentro da secretaria temos as notificações de forma instantânea. Observamos que dentro das regiões litorâneas são as que menos estão acionando e dentro das periferias do estado é que está masi fazendo a notificação do foco de mosquito", pontuou.

Notícias relacionadas