Bahia

Desembargador suspende temporariamente fechamento de barracas em Porto Seguro

Na última segunda-feira (12), as barracas Axé Moi e Tôa Tôa, em Porto Seguro, não funcionaram. A decisão foi adotada porque os locais poderiam ser lacrados pela justiça a qualquer momento, após o juiz federal Alex Scram, determinar o fechamento e demolição[Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Divulgação/Axé Moi

Por Bárbara Silveira no dia 15 de Setembro de 2016 ⋅ 09:49

*Matéria originalmente postada na quinta-feira, às 12h46

Na última segunda-feira (12), as barracas Axé Moi e Tôa Tôa, em Porto Seguro, não funcionaram. A decisão foi adotada porque os locais poderiam ser lacrados pela justiça a qualquer momento, após o juiz federal Alex Scram, determinar o fechamento e demolição dos equipamentos argumentando que eles foram construídos sem autorização do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) na área da União.

Mas de acordo com Beto Nascimento, que é vice-prefeito de Porto Seguro e dono da Axé Moi, uma determinação da justiça garantiu a abertura das barracas, que seguem recebendo baianos e turistas. “A decisão saiu na noite de domingo, mas só ficamos sabendo na segunda a tarde. A gente entrou com um pedido para o desembargador de plantão e ele suspendeu o fechamento das barracas, permitiu que ficassem abertas”, explicou em entrevista ao Metro1 na última quarta-feira.

Apesar disso, segundo Beto, a ordem de demolição em 30 dias, contando a partir do dia 12, ainda está de pé. “Essa ele não conseguiu [derrubar] ainda”, completou. O secretário de Turismo da Bahia, José Alves, prometeu auxiliar no que for possível para que o turismo da cidade e, consequentemente, do estado, não sejam prejudicados.  

Notícias relacionadas