Bahia

Bahia está no topo do ranking de acidentes com motos em rodovias federais

O estado da Bahia liderou o ranking de acidentes com motocicletas e motonetas em rodovias federais. Foram 1.791 ocorrências no ano de 2014. A segunda e a terceira colocação foram ocupadas por Pernambuco, com 1.540 acidentes e Ceará, com 1.035. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução/R7

Por Gabriel Nascimento no dia 27 de Julho de 2015 ⋅ 06:40

O estado da Bahia liderou o ranking de acidentes com motocicletas e motonetas em rodovias federais. Foram 1.791 ocorrências no ano de 2014. A segunda e a terceira colocação foram ocupadas por Pernambuco, com 1.540 acidentes e Ceará, com 1.035. As informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), mostraram também que os acidentes nas rodovias federais registraram um crescimento de 5% entre 2013 (1.704) e 2014 (1.791). De acordo com dados do Sistema de Informações hospitalares do Ministério da Saúde (MS), as internações por acidentes de moto no estado aumentaram 34% de 2013 para 2014.

Na Bahia, foram gastos no ano passado R$ 5,9 milhões apenas com internações por acidentes de moto, conforme dados preliminares da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab). O valor representa metade dos R$ 11,7 milhões que foram investidos com internações por acidentes de trânsito diversos. No país, o governo gasta de R$ 28 bilhões a R$ 40 bilhões, anualmente, para atender as vítimas de acidentes de trânsito, segundo a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia.

O diretor-geral do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-BA), Maurício Bacelar, disse ao jornal A Tarde que "o aumento da renda facilitou o acesso da população ao crédito e à compra de veículos, ao mesmo tempo em que estas pessoas não procuraram se qualificar para o tráfego".

Bacelar ressaltou que a infração mais comum flagrada em blitzes do Detran com a Polícia Militar da Bahia, tem sido dirigir sem a Carteira Nacional de Habilitação (CHN). "Os condutores precisam se conscientizar de que dirigir sem este documento é infração grave. E quem cedeu o veículo deve ser responsabilizado criminalmente", alertou.

Notícias relacionadas