Bahia

Coronel chama atenção do governo Temer para segurança: "Tem que ser dividida"

O comandante geral da Polícia Militar da Bahia, coronel Anselmo Brandão, foi entrevistado na Rádio Metrópole, na manhã desta quinta-feira (2), e comentou as ações da PM no estado para combater a organização de quadrilhas no estado. [Leia mais...]

[Coronel chama atenção do governo Temer para segurança:
Foto : Reprodução/Jornal Grande Bahia

Por Milene Rios e Matheus Morais no dia 02 de Março de 2017 ⋅ 09:24

O comandante geral da Polícia Militar da Bahia, coronel Anselmo Brandão, foi entrevistado na Rádio Metrópole, na manhã desta quinta-feira (2), e comentou as ações da PM no estado para combater a organização de quadrilhas no estado. "A questão da quadrilha estruturada ligada ao crime organizado, existem algumas facções que têm um fortalecimento em alguns territórios. Elas sabem que a polícia acompanha, monitora, não são facções que dominam o crime, são monitoradas. Na Bahia estamos com queda das ações nas entidades financeiras, os bancos. O problema do armamneto pesado com os bandidos são as fronteiras. Tem muito acesso e chegada de armamento pesado para os bandidos e isso nos preocupa muito", disse.

Sobre a situação em Salvador, o coronel declarou: "Não existem em Salvador territórios fechados para a polícia. A polícia entra em qualquer lugar. A nossa polícia tem esse destaque, na Bahia, o crime não tem vez. Se eles entrarem aqui, a gente vai seguro. A união entre a gente é muito forte. Aqui temos forças de reação, temos armas pesadas, temos o patrulhamento aéreo”.

"O governo federal tem que entrar, a Bahia é grande, extensa. A conta tem que ser divida, a Federação tem que dar sua contribuição. Ainda falta muita coisa, a questão da fronteira mesmo, a federação tem que tomar conta. A maconha que vem da região fronteirista é muito barata, R$ 25 o KG. O governo federal não tem musculatura para enfrentar isso", acrescentou.

 

Notícias relacionadas