Brasil

Delegado chama a atenção para a diminuição do efetivo da Polícia Federal

O representante da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), Dr. Rony José Silva, comentou em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta terça-feira (19), a necessidade do fortalecimento da Polícia Federal. [Leia mais...]

[Delegado chama a atenção para a diminuição do efetivo da Polícia Federal]
Foto : Fotos Públicas

Por Gabriel Nascimento no dia 19 de Janeiro de 2016 ⋅ 06:52

O representante da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), Dr. Rony José Silva, comentou em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta terça-feira (19), a necessidade do fortalecimento da Polícia Federal.

De acordo com Rony, os agentes sofrem com a precariedade e a falta de verba para as operações. "Hoje vemos a Polícia Federal sofrendo ataques de todas as ordens. Teve a ordem do dia o endossamento da Polícia Federal, que gerou todo esse levante e os delegados podendo falar e denunciar a imprensa a situação de precariedade que hoje a gente vive na PF. Sem verba a gente sabe que não se investiga", disse. "Sem dinheiro a gente não faz nada. Temos um efetivo muito pequeno, então pra fazer uma operação do porte da Lava Jato a gente precisa deslocar muito efetivo e sem verba a gente não pode fazer muita coisa", ressaltou.

Dr. Rony chamou a atenção ainda para a diminuição do efetivo da PF ao longo dos anos. "Temos 30%, quase 500 cargos vagos só de delegado. Então como é que a gente pode fazer essas atividades se a gente não tem condições nem de manter o mínimo necessário", afirmou. "Tem colegas que são verdadeiros guerreiros, ficam na caasa de colegas, tiram dinheiro do bolso pra trabalhar. A gente sempre vê o Governo Federal falar que a Polícia Federal é prioridade e na prática a gente vê essa prioridade em ações", completou.

Comentarios

Notícias relacionadas

[Rosa Weber é eleita presidente do TSE]
Brasil

Rosa Weber é eleita presidente do TSE

Por Metro1 no dia 20 de Junho de 2018 ⋅ 13:40 em Brasil

Ministra vai presidir as eleições de outubro e deve permanecer no cargo até maio de 2020