Brasil

Aeronáutica divulga relatório sobre acidente que matou Eduardo Campos;vídeo

O chefe do Cenipa, brigadeiro Dilton José Schuck, afirmou que a função dos técnicos que investigaram o acidente era identificar os fatores que contribuíram para a queda da aeronave e não encontrar um culpado. [Leia mais...]

[Aeronáutica divulga relatório sobre acidente que matou Eduardo Campos;vídeo]
Foto : Reprodução / Veja

Por Camila Tíssia no dia 20 de Janeiro de 2016 ⋅ 06:18

O relatório final da investigação do acidente aéreo que vitimou sete pessoas, entre elas o ex-governador de Pernambuco e candidato à presidência da República Eduardo Campos, foi divulgado nessa terça-feira (19), por Oficiais do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) da Força Aérea Brasileira (FAB). 

O chefe do Cenipa, brigadeiro Dilton José Schuck, afirmou que a função dos técnicos que investigaram o acidente era identificar os fatores que contribuíram para a queda da aeronave e não encontrar um culpado.

Sem apontar um único motivo que causou a queda do avião, em agosto de 2014, o Cenipa apontou quatro fatores que contribuíram para a queda do avião, em Santos, no litoral paulista: a atitude dos pilotos, as condições meteorológicas adversas, a desorientação espacial e a indisciplina de voo. Também há fatores que podem ter contribuído, mas que não ficaram comprovados, como é o caso de uma eventual fadiga da tripulação – conforme aponta o relatório.

No entanto, segundo o Cenipa, o relatório do órgão não é suficiente para descartar nenhuma linha de investigação. Esses fatores que foram apontados como indeterminados nas causas do acidente ainda podem ser alvo de investigação por outros órgãos, como a Polícia Federal, por exemplo. 

Um vídeo com imagens do acidente também foi divulgado. Confira:

Comentarios

Notícias relacionadas

[Rosa Weber é eleita presidente do TSE]
Brasil

Rosa Weber é eleita presidente do TSE

Por Metro1 no dia 20 de Junho de 2018 ⋅ 13:40 em Brasil

Ministra vai presidir as eleições de outubro e deve permanecer no cargo até maio de 2020