Brasil

Ex-diretor da Petrobras é condenado a 12 anos de prisão

O ex-diretor da Área Internacional da Petrobras, Jorge Luiz Zelada, foi condenado pela Justiça Federal a 12 anos e dois meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A decisão foi publicada pelo juiz Sérgio Moro nesta segunda-feira (1º). [Leia mais...]

[Ex-diretor da Petrobras é condenado a 12 anos de prisão]
Foto : Reprodução / Agência Brasil

Por Camila Tíssia no dia 01 de Fevereiro de 2016 ⋅ 11:45

O ex-diretor da Área Internacional da Petrobras, Jorge Luiz Zelada, foi condenado pela Justiça Federal a 12 anos e dois meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A decisão foi publicada pelo juiz Sérgio Moro nesta segunda-feira (1º). 

Na sentença, Moro afirma que "as provas colacionadas neste mesmo feito, indicam que passou a dedicar-se à prática de crimes no exercício do cargo de Diretor da Petrobás, visando seu próprio enriquecimento ilícito e de terceiros, o que deve ser valorado negativamente a título de culpabilidade".

Na mesma ação, foram condenados também o ex-gerente da Petrobras Eduardo Costa Vaz Musa e os lobistas João Augusto Rezende Henriques e Hamylton Pinheiro Padilha Júnior, que tem acordo de delação premiada junto ao Ministério Público Federal (MPF).

De acordo com a denúncia apresentada pelo MPF, Zelada e Musa, aceitaram receber propina de UU$ 30 milhões para favorecer a contratação, em 2009, da empresa Vantage Drilling Corporation - representada por Padilha - para afretamento do navio-sonda Titanium Explorer pela Petrobras. O contrato foi de US$ 1,816 bilhão.

Zelada foi preso em julho de 2015, durante a 15ª fase da Lava Jato, batizada de Operação Mônaco. O ex-diretor da Petrobras teve mais de 10 milhões de euros bloqueados em contas bancárias no exterior. Ele está detido no Complexo Médico-Penal, na Região Metropolitana de Curitiba. 

Comentarios

Notícias relacionadas

[Rosa Weber é eleita presidente do TSE]
Brasil

Rosa Weber é eleita presidente do TSE

Por Metro1 no dia 20 de Junho de 2018 ⋅ 13:40 em Brasil

Ministra vai presidir as eleições de outubro e deve permanecer no cargo até maio de 2020