Brasil

Ônibus com senadores brasileiros é cercado por manifestantes venezuelanos

Um ônibus que transportava os senadores dos partidos PSDB, DEM e PSD, em Caracas, capital federal da República Bolivariana de Venezuela, foi cercado por militantes aos gritos de “fora, fora”, e alegações como “Chavez não morreu, ele se multiplicou”. A comitiva seguia para o presídio onde está detido o político Leopoldo López, preso por atuar como líder oposicionista ao governo venezuelano de Nicolás Maduro. [Leia mais...]

[Ônibus com senadores brasileiros é cercado por manifestantes venezuelanos ]
Foto : Divulgação

Por Paloma Andrade no dia 18 de Junho de 2015 ⋅ 19:06

Um ônibus que transportava os senadores dos partidos PSDB, DEM e PSD, em Caracas, capital federal da República Bolivariana de Venezuela, foi cercado por militantes aos gritos de “fora, fora”, e alegações como “Chavez não morreu, ele se multiplicou”. A comitiva seguia para o presídio onde está detido o político Leopoldo López, preso por atuar como líder oposicionista ao governo venezuelano de Nicolás Maduro.

Faziam parte da comitiva, senadores como Aécio Neves (PSDB), Aloysio Nunes (PSDB), Cássio Cunha Lima (PSDB), Ronaldo Caiado (DEM), Agripino Maia (DEM) e Sérgio Petecão (PSD). Devido ao protesto e a revolta dos manifestantes que batiam na lataria do ônibus, foi necessário mudar a rota para chegar ao presídio.

Após a confusão, o senador Aécio Neves afirmou que essa manifestação pode sensibilizar as autoridades venezuelanas para libertar os presos políticos e até marcarem eleições livres.

Notícias relacionadas

[Eletrobras vai abrir plano de demissão consensual]
Brasil

Eletrobras vai abrir plano de demissão consensual

Por Clara Rellstab no dia 18 de Janeiro de 2019 ⋅ 10:40 em Brasil

O custo das demissões foi calculado em cerca de R$ 731 milhões. As adesões voluntárias ao PDC ocorrerão por um período de 30 dias

[Inep divulga hoje notas do Enem]
Brasil

Inep divulga hoje notas do Enem

Por Clara Rellstab no dia 18 de Janeiro de 2019 ⋅ 08:00 em Brasil

Mais de 4,1 milhões de estudantes já podem acessar a quanto obtiveram em cada uma das provas: linguagens, ciências humanas, ciências da natureza, matemática e redação