Brasil

Operação Acarajé: nova fase da Lava Jato investiga publicitário João Santana

De acordo com a PF, Santana é alvo porque há indícios de que ele possui contas no exterior, com origem não declarada. O marqueteiro coordenou as campanhas da presidente Dilma Rousseff e participou da campanha da reeleição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2006.[Leia mais...]

[Operação Acarajé: nova fase da Lava Jato investiga publicitário João Santana]
Foto : Reprodução/Vimeo

Por Camila Tíssia no dia 22 de Fevereiro de 2016 ⋅ 07:12

Foi deflagrada, nesta segunda-feira (22), a 23ª fase da Operação Lava Jato na Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo. Nomeada Operação Acarajé, a nova etapa da investigação tem como um dos alvos, o publicitário baiano João Santana. Já existe um mandado de prisão expedido contra ele, mas Santana está no exterior e não foi preso. Ele tem uma casa no condomínio Parque Interlagos, no município de Camaçari, Região Metropolitana de Salvador e desde o começo da manhã cerca de cinco carros da Polícia Federal (PF) realizam buscas no local.

De acordo com a PF, Santana é alvo porque há indícios de que ele possui contas no exterior, com origem não declarada. O marqueteiro coordenou as campanhas da presidente Dilma Rousseff e participou da campanha da reeleição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2006. 

Santana, além de marqueteiro das campanhas, chegou ser conselheiro da presidente em várias decisões de governo, chamado a participar de reuniões decisivas , com voz de influência em debates políticos no primeiro escalão.

A Operação Lava Jato investiga um esquema bilionário de desvio e lavagem de dinheiro envolvendo a Petrobras e teve início em março de 2014. Os presos serão levados para a Superintendência da PF, em Curitiba. 

Retorno para o Brasil

João Santana e a sua esposa, Monica Moura, que estão na República Dominicana, aguardam uma ordem oficial da Polícia Federal para retornarem ao Brasil. A afirmação foi feita por Mônica em entrevista à Globo News. Questionada sobre a volta, Mônica foi enfática: "Claro [que voltariam]. É só chegar algo oficial até nossos advogados."

Notícias relacionadas

[Venezuelanos são agredidos em Roraima]
Brasil

Venezuelanos são agredidos em Roraima

Por Marina Hortélio no dia 18 de Agosto de 2018 ⋅ 16:30 em Brasil

Os refugiados também foram expulsos das barracas que ocupavam da cidade de Pacaraima, na fronteira do Brasil com a Venezuela