Brasil

Operação fiscaliza qualidade dos brindes em ovos de Páscoa

Entre os dias 07 e 11 de março, a Operação Especial Páscoa, vai fiscalizar, em todos os estados do Brasil, pontos de venda que comercializam ovos de chocolate que contenham brinquedos. [Leia mais...]

[Operação fiscaliza qualidade dos brindes em ovos de Páscoa]
Foto : Reprodução / UOL

Por Camila Tíssia no dia 03 de Março de 2016 ⋅ 12:56

Entre os dias 07 e 11 de março, a Operação Especial Páscoa, vai fiscalizar, em todos os estados do Brasil, pontos de venda que comercializam ovos de chocolate que contenham brinquedos. De acordo com o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), durante a ação agentes fiscalizadores vão examinar se os brinquedos, oferecidos como brinde, ostentam o selo de identificação da conformidade, o que evidencia que o produto foi certificado.
  
A iniciativa tem como objetivo coibir a venda de itens irregulares, com o intuito de oferecer aos consumidores a garantia de que estão adquirindo apenas produtos certificados e que, se os brindes forem utilizados de maneira correta, não oferecerão perigo. 
 
De acordo com o diretor de Avaliação da Conformidade, Alfredo Lobo, é preciso atenção na hora de adquirir o Ovo de Chocolate com brinquedo, pois na embalagem do produto é obrigatório  a seguinte frase:  “ATENÇÃO: Contém brinquedo certificado no âmbito do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade”.
 
Os estabelecimentos em que forem encontradas irregularidades terão até dez dias para apresentar defesa ao Instituto e estarão sujeitos às penalidades previstas na lei, com multas que variam de R$ 100,00 a R$ 1,5 milhão. Os consumidores podem apresentar denúncias por meio da Ouvidoria do Inmetro pelo telefone 0800-285-1818 ou pelo e-mail [email protected] 

Notícias relacionadas

[‘Mordaça', diz Marco Aurélio sobre censura]
Brasil

‘Mordaça', diz Marco Aurélio sobre censura

Por Kamille Martinho no dia 18 de Abril de 2019 ⋅ 17:40 em Brasil

"Não se trata de censura. A Constituição fala em censura prévia e é clara quanto ao abuso no conteúdo divulgado", argumentou