Brasil

IBGE: 4% dos estudantes brasileiros do 9º ano já foram vítimas de estupro

Foi divulgada nesta sexta-feira uma pesquisa feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para investigar a atual situação do aluno brasileiro. A terceira edição da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (Pense) ouviu 2.630.834 alunos matriculados no 9º ano do ensino fundamental da rede pública e privada sobre assuntos como consumo de álcool, drogas e cigarro, iniciação sexual, atividade física e outras questões. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Agência Brasi

Por Laura Lorenzo no dia 26 de Agosto de 2016 ⋅ 17:20

Foi divulgada nesta sexta-feira (24) uma pesquisa feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para investigar a atual situação do aluno brasileiro. A terceira edição da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (Pense) ouviu 2.630.834 alunos matriculados no 9º ano do ensino fundamental da rede pública e privada sobre assuntos como consumo de álcool, drogas e cigarro, iniciação sexual, atividade física e outras questões. Pela primeira vez a pesquisa quantificou a quantidade de alunos que já foram vítimas de estupro no país. Da amostra,  51,3% são meninas e 48,7% são meninos. As outras duas edições do Pense foram realizadas em 2009 e 2012.

Dos alunos questionados, 4% responderam  já ter sofrido estupro. Entre os garotos, esse percentual é de 3,7 e enter as meninas é 4,3%. Dos que sofreram a agressão, 4,4% são de escolas públicas e 2% das particulares. Ao serem questionados sobre quem praticou o estupro, 26,6% responderam o namorado (a) ou ex-namorado(a); 21,8% um amigo (a); 11,9% pai/padrasto/mãe/madrasta; e 19,7% outros familiares.

Segundo a psicóloga Ana Carolina Svirski, coordenadora da equipe de saúde da criança do Centro de Saúde Murialdo, de Porto Alegre, os números estão abaixo do que o esperado, e que isso pode se dar porque, na experiencia de atendimento das vítimas, muitos tem dificuldade em falar do tema. Ela explica ainda que os casos nessa faixa etária são ainda mais difíceis de ser identificados do que em crianças, por exemplo. 

A pesquisa mostrou também que, dos alunos do 9º ano, 27,5%já tiveram pelo menos uma relação sexual. Das meninas, 19,5% responderam que tiveram relações. Nos meninos, o número aumenta para 36%. Dos alunos que afirmaram já ter feito sexo, 61,2% disseram ter usado preservativo na primeira vez. Das meninas que disseram já ter tido relações, 1,1% declarou já ter engravidado alguma vez, o que representa um universo de 23.620 meninas,

Ao serem questionados sobre o consumo de álcool, 22,5% dos meninos responderam ter consumido bebida alcoólica nos 30 dias anteriores. Nas meninas, o percentual foi de 23,8%. Quanto ao uso de drogas 9% disseram já ter utilizado drogas ilícitas, sendo 8,5% entre meninas e 9,5% entre os meninos. O consumo de maconha foi registrado em 4,8% dos garotos e 3,5% nas garotas. O total é de 4,1%. O número de estudantes que já experimentaram cigarro, pelo menos uma vez, caiu. O número averiguado nesta pesquisa foi de 19%. Em 2009, o indice era de 30,5%. Os meninos questionados tiveram o indicador maior do que o das meninas, 19,4% contra 17,4%. 

Em quesito de atividades físicas, trinta e quatro por cento dos alunos do 9º ano foram considerados ativos; já a maior parte dos adolescentes (65,6%) fsão classificados como sedentária. O percentual de alunos que não tiveram aulas de educação física nos últimos sete dias anteriores à pesquisa diminuiu. Em 2012, eles eram 18,3%. Em 2015, o índice caiu para 14%. 

Notícias relacionadas

[Saída de cubanos poderá deixar 611 cidades sem médicos]
Brasil

Saída de cubanos poderá deixar 611 cidades sem médicos

Por Juliana Rodrigues no dia 18 de Novembro de 2018 ⋅ 07:30 em Brasil

Segundo o presidente do Conasems, profissionais de Cuba foram os únicos a aceitar trabalhar em unidades de saúde que ficam em cidades mais isoladas ou pobres

[Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 37 milhões]
Brasil

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 37 milhões

Por Marina Hortélio no dia 17 de Novembro de 2018 ⋅ 10:30 em Brasil

As apostas podem ser realizadas até as 19h (de Brasília) do dia do sorteio, em qualquer lotérica do país ou pela internet