Brasil

Ministro diz que moradores e governo de Minas Gerais desejam retorno da Samarco

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, declarou nesta quinta-feira (15) que a retomada das operações da mineradora Samarco é um desejo dos moradores e do governo de Minas Gerais. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Fred Loureiro/ Secom ES (13/11/2015)

Por Luiza Leão no dia 15 de Setembro de 2016 ⋅ 15:42

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, declarou nesta quinta-feira (15) que a retomada das operações da mineradora Samarco é um desejo dos moradores e do governo de Minas Gerais.

A Samarco é a empresa envolvida no rompimento de uma barragem no município mineiro de Mariana, que deixou 19 pessoas mortas, destruiu a vegetação nativa, poluiu a bacia do Rio Doce, sendo considerada uma das maiores tragédias ambientais do país.

O rompimento da barragem aconteceu em novembro de 2015. A mineradora deve indenizações bilionárias às vítimas da tragédia, já acertadas com o governo federal.

“O que aconteceu com a Samarco foi uma tragédia lamentável, mas precisamos ouvir quem está próximo. Se você conversa com o governo de Minas, com Espírito Santo e cidades do entorno, todos querem, evidentemente com mais segurança e com os reparos feitos, que a Samarco volte a operar”, declarou o ministro, justificando que a empresa gera milhares de empregos e movimenta a economia local.

Para retornar às atividades na região, a mineradora depende de autorizações da Secretaria de Meio Ambiente de Minas Gerais e do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). A pedido do Ministério Público de Minas Gerais, em meados de agosto deste ano, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais suspendeu todas as licenças ambientais do Complexo Germano, da mineradora Samarco, local onde ocorreu o rompimento da barragem de rejeitos de Fundão, em Mariana (MG).

Notícias relacionadas

[Bombeiros localizam mais dois corpos em Brumadinho]
Brasil

Bombeiros localizam mais dois corpos em Brumadinho

Por Aline Reis no dia 17 de Fevereiro de 2019 ⋅ 20:30 em Brasil

Há ainda 144 pessoas, entre funcionários da Vale, terceirizados que prestavam serviços à mineradora e membros da comunidade, que continuam desaparecidas