Brasil

Estudo da Fiesp diz que comércio ilegal movimenta R$ 13 bi por ano em SP

A comercialização de mercadorias ilícitas, como produtos roubados, furtados, contrabandeados e pirateados no estado de São Paulo movimenta R$ 13,26 bilhões por ano, segundo um estudo inédito apresentado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) que mapeou o impacto do comércio ilegal em nove setores durante o ano de 2015. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Agência Brasil

Por M1 no dia 16 de Setembro de 2016 ⋅ 16:06

A comercialização de mercadorias ilícitas, como produtos roubados, furtados, contrabandeados e pirateados no estado de São Paulo movimenta R$ 13,26 bilhões por ano, segundo um estudo inédito apresentado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) que mapeou o impacto do comércio ilegal em nove setores durante o ano de 2015

A concorrência "ilegal" chega a morder quase 12% do consumo de produtos como eletrônicos. "Toda indústria paulista poderia criar 111,6 mil empregos formais", diz estudo.

Publicidade

Segundo a pesquisa a perda na arrecadação é de R$ 2,81 bilhões em impostos federais - "o suficiente para construir 1,5 mil escolas de ensino básico ou 1,2 mil hospitais - e de R$ 2,54 bilhões em impostos estaduais".

Os maiores rombos se dão nas indústrias de tabaco e de automóveis/autopeças, onde as vendas da concorrência ilegal somaram, respectivamente, R$ 4,25 bilhões e R$ 3,49 bilhões no ano passado.

Notícias relacionadas

[PGR defende prisão do fundador da Pague Menos]
Brasil

PGR defende prisão do fundador da Pague Menos

Por Marina Hortélio no dia 16 de Outubro de 2018 ⋅ 15:00 em Brasil

No recurso, Francisco Deusmar de Queirós contesta a decisão do STJ que manteve a execução provisória de pena

[Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores]
Brasil

Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores

Por Alexandre Galvão no dia 15 de Outubro de 2018 ⋅ 10:20 em Brasil

Os países com os maiores percentuais de estudantes que querem ser professores são Argélia, onde 21,7% dos estudantes querem ser professores, e Kosovo, onde esse percentua...