Brasil

Atriz lembra últimos momentos de Montagner: “Me deu a oportunidade de viver”

Muito abalada, a atriz Camila Pitanga falou sobre a morte do amigo e companheiro de cena na novela Velho Chico, Domingos Montagner e disse que ele concedeu a ela a “oportunidade de viver”. O ator morreu na última quinta-feira (15) enquanto tomava banho no rio São Francisco, na companhia de Camila [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução/Youtube

Por Bárbara Silveira no dia 19 de Setembro de 2016 ⋅ 09:51

Muito abalada, a atriz Camila Pitanga falou sobre a morte do amigo e companheiro de cena na novela Velho Chico, Domingos Montagner e disse que ele concedeu a ela a “oportunidade de viver”. O ator morreu na última quinta-feira (15) enquanto tomava banho no rio São Francisco, na companhia de Camila. 

Em entrevista ao Fantástico, a atriz contou que eles escolheram o local conhecido como Prainha de São Francisco porque viram a água calma. "A gente ia para outro lugar, mas viu que tinha esse espaço. Tinha dois quiosques e a gente achou que era mais simples ficar ali. A água estava parada, tinha umas pedras. Domingos olhou e disse 'aqui está lindo, está ótimo'”. A situação mudou quando eles entraram na água e começaram a perceber a força da corrente. “A gente nadava, nadava e nadava e ficava no mesmo lugar. Perdia sempre. Mas isso não se estendeu, não deu tempo de ter exaustão. Então eu percebi que não ia conseguir vencer essa correnteza e me desesperei. Mas eu não estava tendo noção do que estava acontecendo. Vi que tinha umas pedras e pensei: vamos para lá".

Mas ao chegar no local seguro, Camila contou que continuou chamando por Domingos e ele não se movia. “Notei que Domingos não nadava, estava assustado. Fui ajudar, porque pensei que se foi fácil eu chegar, é fácil ajudar meu amigo. Peguei no antebraço dele, mas ele não vinha. Ele não saía do lugar. Foi muito estranho. Ele aparentava estar paralisado. Ele dizia: 'eu não estou conseguindo' e engoliu água e submergiu. Foram duas vezes. Quando ele submergiu, eu entendi o problema que a gente estava vivendo. Eu entendi que eu não podia ir lá, que tinha alguma coisa maior, que eu não sabia o que era. Que não era apenas ele assustado”.

Apesar de ressaltar que a situação foi “muito estranha”, Camila disse acreditar que a correnteza estava puxando a perna do amigo, impedindo que ele saísse do local e disse que ele deu a ela “uma nova oportunidade de viver”. "Em nenhum momento ele me pegou, me agarrou. Ele me salvou. Acho que ele sabia o que estava acontecendo e me deu a oportunidade de viver. Me deu essa chance. Foi muito generoso", disse, muito emocionada. 

Veja a entrevista completa:

 

Notícias relacionadas

[Fux determina prisão de Cesare Battisti]
Brasil

Fux determina prisão de Cesare Battisti

Por Alexandre Galvão no dia 14 de Dezembro de 2018 ⋅ 07:00 em Brasil

Battisti é acusado de ser o autor de quatro assassinatos na Itália, que teriam sido cometidos entre os anos de 1977 e 1979