Brasil

Operação Lava Jato: ex-dirigente da Tecna/Isolux é solto

Foi solto nesta segunda-feira (26) o empresário Luiz Eduardo Neto Tachard. Ele havia sido preso na quinta-feira (22) na 34ª fase da Operação Lava Jato. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Divulgação

Por Matheus Morais no dia 27 de Setembro de 2016 ⋅ 08:13

Foi solto nesta segunda-feira (26) o empresário Luiz Eduardo Neto Tachard. Ele havia sido preso na quinta-feira (22) na 34ª fase da Operação Lava Jato. Tachard é ex-dirigente do grupo Tecna/Isolux, especializado no desenvolvimento de projetos “chave na mão” para os mercados globais de gás e petróleo e energia nuclear. Além de Tachard, também foram soltos: Ruben Maciel da Costa Val, Danilo Baptista, Luiz Eduardo Guimarães Carneiro, Julio César Oliveira Silva, Luiz Claudio Machado Ribeiro e Francisco Corrales Kindelan. 

O juiz federal Sérgio Moro determinou que os investigados não podem deixar suas casas por mais de 30 dias e nem o país sem autorização. A 34ª fase, batizada de Arquivo X, investiga a contratação, pela Petrobras, de empresas para a construção de duas plataformas de exploração de petróleo na camada do pré-sal, as chamadas Floating Storage. 

Moro determinou ainda o bloqueio de contas de Luiz Tachard e de outros sete pessoas: Luiz Claudio Machado Ribeiro, o diretor de desenvolvimento de negócios da Mendes Júnior; Ruben Maciel da Costa Val, diretor de negócios industriais da Petrobras; Danilo Souza Baptista, engenheiro; Luiz Eduardo Carneiro, ex-presidente da OGX (atual OGPar); Júlio Cesar Oliveira Silva, analista de sistemas; e Francisco Corrales Kindelán, consultor ligado à área de energia. O ex-ministro da Fazenda Guido Mantega também teve seus bens bloqueados e chegou a ser preso pela Polícia Federal. No entanto, o juiz Sérgio Moro revogou a prisão e determinou que ele fosse solto.

Notícias relacionadas

[STF define que é crime fugir do local do acidente de trânsito]
Brasil

STF define que é crime fugir do local do acidente de trânsito

Por Marina Hortélio no dia 14 de Novembro de 2018 ⋅ 21:00 em Brasil

A maioria dos magistrados compreendeu que a punição para quem deixa o local do acidente não fere a garantia do cidadão de não ser obrigado a produzir prova contra si mesm...