Brasil

PF indicia Lula por suspeita de propina de R$ 20 milhões da Odebrecht

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi indiciado pela Polícia Federal pelo crime de corrupção passiva. Segundo as investigações, o petista teria usado da influência do mandato que exercia para favorecer um empréstimo do BNDES à empreiteira Odebrecht. Em troca, segundo a PF, a empreiteira pagou R$ 20 milhões de propina a Taiguara Rodrigues, sobrinho de Lula. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Agência Brasil

Por Laura Lorenzo no dia 05 de Outubro de 2016 ⋅ 15:55

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi indiciado pela Polícia Federal pelo crime de corrupção passiva. Segundo as investigações, o petista teria usado da influência do mandato que exercia para favorecer um empréstimo do BNDES à empreiteira Odebrecht. Em troca, segundo a PF, a empreiteira pagou R$ 20 milhões de propina a Taiguara Rodrigues, sobrinho de Lula. A PF suspeita também que parte da propina foi para o ex-presidente. 

O indiciamento foi baseado na investigação da Operação Janus, que verifica irregularidades no financiamento do BNDES para obras da Odebrecht em Angola. Segundo a apuração, a empresa da qual Taiguara, é sócio, a Exergia, teria fechado um contrato com a empreiteira em Angola depois que Lula facilitou o empréstimo junto ao BNDES.

Em nota, a assessoria do Instituto Lula informou que a defesa não teve acesso ao documento de indiciamento e não foi encontrada irregularidade alguma nas contas ex-presidente. "O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem sua vida investigada há 40 anos, teve todas as suas contas e de seus familiares devassadas, seu sigilo bancário, fiscal e telefônico quebrado  e não foi encontrada nenhuma irregularidade” afirmou o instituto.

A assessoria do ex-presidente afirmou ainda que Lula está sofrendo "uma campanha de massacre midiático".

Notícias relacionadas

[Presidente do PSL nega que irá deixar partido]
Brasil

Presidente do PSL nega que irá deixar partido

Por Kamille Martinho no dia 20 de Fevereiro de 2019 ⋅ 14:00 em Brasil

Bivar ainda defendeu o ministro do Turismo que também está envolvido em denúncias sobre supostas candidaturas laranjas