Brasil

Malu Fontes analisa argumentos contra e a favor da vaquejada; ouça

Com o impedimento pelo Supremo Tribunal Federal das vaquejadas no estado do Ceará, as reações e a polêmica extrapolaram imediatamente as fronteiras do estado e se espalharam por todo o país. Afinal, não dá para pensar em proibição judicial de vaquejadas no Ceará e supor que os organizadores dessa mesma natureza de eventos, muitas vezes festas milionárias, acrescidas de atrações turísticas e da presença de ídolos nacionais e internacionais da música, fossem fingir que isso não lhes diz respeito, mesmo que não seja num presente imediato, e façam de conta que não têm nada a ver com isso. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Malu Fontes no dia 17 de Outubro de 2016 ⋅ 20:18

Com o impedimento pelo Supremo Tribunal Federal das vaquejadas no estado do Ceará, as reações e a polêmica extrapolaram imediatamente as fronteiras do estado e se espalharam por todo o país. Afinal, não dá para pensar em proibição judicial de vaquejadas no Ceará e supor que os organizadores dessa mesma natureza de eventos, muitas vezes festas milionárias, acrescidas de atrações turísticas e da presença de ídolos nacionais e internacionais da música, fossem fingir que isso não lhes diz respeito, mesmo que não seja num presente imediato, e façam de conta que não têm nada a ver com isso. 
 
Na semana, já houve carreata por estradas federais brasileiras com o propósito de travar o trânsito e, claro, o transporte de cargas para gerar impacto econômico e, assim, deixar claro que não vão aceitar quietos a decisão do Supremo. 
 
Fortíssima tradição cultural nordestina, a vaquejada consiste, como todo mundo sabe, em soltar um boi numa arena ou até mesmo no meio de uma caatinga, e colocar um desafio para dois vaqueiros concorrentes entre si. Montados a cavalo, vence disputa quem derrubar o boi pelo rabo. Para derrubar a lei estadual do Ceará que regulamentava as vaquejadas, o Supremo, por 6 votos a 5, considerou que a tradição impõe sofrimento aos animais e, portanto, fere princípios constitucionais de preservação e proteção do meio ambiente. Apesar de, por enquanto, a proibição circunscrever-se ao estado do Ceará, todo mundo sabe que essa decisão será usada como referência e como jurisprudência para que, principalmente, entidades de proteção aos animais de vários outros estados brasileiros ingressem na Justiça com pedido semelhante, requerendo a mesma proibição. Do mesmo modo, todo mundo sabe que pedidos dessa natureza deverão obter vitória na maioria dos casos, ou no mínimo esses pedidos também acabarão indo parar no Supremo, tendo o mesmo desfecho visto no Ceará. 
 
Na Bahia, só para citar dois municípios, a tradição da vaquejada é uma das principais atrações de Serrinha e de Entre Rios. Em escala nacional, o que as pessoas que se interessam pelo tema — contra ou a favor — se perguntam é: e a Festa Nacional de Barretos, com seu orçamento bilionário, seus bois, cujos sêmens dariam para comprar um bairro inteiro de casas do projeto Minha Casa Minha Vida? Como proibir as vaquejadas cearenses, se Barretos, no rico interior paulista, pode fazer algo do tipo? 
 
O argumento de quem é contra as vaquejadas não é novo e, vamos combinar, tem coerência. Quem há de negar que a disputa dos vaqueiros machuca os bois e que tudo isso é apenas para que, como nas arenas greco-romanas, os trogloditas se divirtam com o sofrimento do animal? Já o argumento dos defensores da vaquejada se sustenta no aspecto econômico e cultural, sob o aspecto da tradição: as vaquejadas fazem parte do patrimônio imaterial das regiões que a mantém, atraem turistas e, consequentemente, emprego e renda. 
 
No entanto, há um argumento fresquinho — que só não é mais sofrível que manipulador — dos defensores da vaquejada para desconstruir a tese do sofrimento do animal usada pelo Supremo. Os defensores berram agora que, se a vaquejada gera sofrimento ao boi, então que o Supremo proíba também o abate de animais para a alimentação, pois a morte dos bichos gera muito mais sofrimento que uma queda do boi pelo rabo puxado pelo vaqueiro. Mas não está faltando acrescentar algo neste argumento? O abate de animais mata a fome de um milhões de pessoas em todo mundo. Já a vaquejada tem apenas um boi torturado, puxado pelo rabo e alimenta apenas o instinto do homem em ver o bicho sofrer num joguinho.

Notícias relacionadas

[BNDES investirá em projetos contra poluição]
Brasil

BNDES investirá em projetos contra poluição

Por Daniel Brito no dia 12 de Dezembro de 2018 ⋅ 17:20 em Brasil

De acordo com o banco, R$ 163 milhões do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (Fundo Clima) serão aplicados em novos financiamentos

[MP de Goiás pede prisão de João de Deus ]
Brasil

MP de Goiás pede prisão de João de Deus 

Por Alexandre Galvão no dia 12 de Dezembro de 2018 ⋅ 17:08 em Brasil

Ele já é acusado por mais de 200 mulheres. Hoje, na primeira aparição após a revelação dos caso, negou que tenha cometido crimes e disse que "o João de Deus ainda está vi...

[Mega-Sena pode pagar R$ 36 milhões hoje]
Brasil

Mega-Sena pode pagar R$ 36 milhões hoje

Por Juliana Rodrigues no dia 12 de Dezembro de 2018 ⋅ 08:40 em Brasil

Sorteio do valor, que é suficiente para comprar 15 apartamentos de luxo, acontece às 20h