Brasil

Desembargador nega pedido de liberdade para Eduardo Cunha

O desembargador João Pedro Gebran Neto, relator da Lava Jato no Tribunal Regional Federal da 4.ª Região negou, na última sexta-feira (28), a liminar da defesa do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) que pedia a liberação do parlamentar, que está preso desde o dia 19 de outubro. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto :José Cruz/ Agência Brasil

Por Laura Lorenzo no dia 29 de Outubro de 2016 ⋅ 13:34

O desembargador João Pedro Gebran Neto, relator da Lava Jato no Tribunal Regional Federal da 4.ª Região negou, na última sexta-feira (28), a liminar da defesa do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) que pedia a liberação do parlamentar, que está preso desde o dia 19 de outubro. De acordo com o magistrado, Cunha demonstrou "acentuada conduta de desprezo não só à lei e à coisa pública, mas igualmente à Justiça criminal e à Suprema Corte", e por isso deve permanecer detido cautelarmente.

"Com efeito, a situação do paciente (Eduardo Cunha) não destoa da de outros investigados, sendo impossível supor a desagregação natural do grupo criminoso ou da sequência de atos delitivos sem a segregação cautelar dos envolvidos com maior destaque, dentre os quais o paciente, então líder político do PMDB", ressalta o desembargador na decisão que foi tomada na última quinta-feira (27) e divulgada na sexta.

Com a negativa do pedido, cabe ainda à 8ª Turma da Corte analisar o mérito da liminar da defesa do ex-deputado, o que ainda não tem data marcada para ser feito. 

Notícias relacionadas

[Eletrobras vai abrir plano de demissão consensual]
Brasil

Eletrobras vai abrir plano de demissão consensual

Por Clara Rellstab no dia 18 de Janeiro de 2019 ⋅ 10:40 em Brasil

O custo das demissões foi calculado em cerca de R$ 731 milhões. As adesões voluntárias ao PDC ocorrerão por um período de 30 dias

[Inep divulga hoje notas do Enem]
Brasil

Inep divulga hoje notas do Enem

Por Clara Rellstab no dia 18 de Janeiro de 2019 ⋅ 08:00 em Brasil

Mais de 4,1 milhões de estudantes já podem acessar a quanto obtiveram em cada uma das provas: linguagens, ciências humanas, ciências da natureza, matemática e redação