Brasil

Presidente do STF propõe reajuste de 41,47% para servidores do Judiciário

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, anunciou nesta quarta-feira (12) que vai enviar ao Congresso uma nova proposta de reajuste salarial para os servidores do Judiciário. Os servidores se encontram em greve desde junho deste ano. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução/Agência Brasil/Fabio Rodrigues Pozzebom

Por Matheus Simoni no dia 12 de Agosto de 2015 ⋅ 18:30

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, anunciou nesta quarta-feira (12) que vai enviar ao Congresso uma nova proposta de reajuste salarial para os servidores do Judiciário. Os servidores se encontram em greve desde junho deste ano. Após reunião com os demais ministros da Suprema Corte, Lewandowski afirmou que irá levar à categoria um aumento de 41,47% – negociado com o Executivo – sobre o salário do cargo efetivo do servidor.

Este reajuste não corresponde ao total da remuneração, que pode incluir adicionais, gratificações e valores acrescidos por funções de chefia, por exemplo. Em junho, o Senado aprovou reajuste que variava de 53% a 78,5%, de acordo com o cargo, a ser pago em seis parcelas até 2017. Entretanto, a proposta foi vetada pela presidente Dilma Rousseff (PT).

De acordo com, cálculos do Executivo previam que o aumento que foi vetado iria custar R$ 25 bilhões nos próximos quatro anos. Ao justificar o veto, Dilma afirmou que o projeto aprovado no Congresso não indicava de onde sairia a receita. "Um impacto dessa magnitude é contrário aos esforços necessários para o equilíbrio fiscal na gestão de recursos públicos", registrou a presidente à época.
 

Notícias relacionadas

[STF define que é crime fugir do local do acidente de trânsito]
Brasil

STF define que é crime fugir do local do acidente de trânsito

Por Marina Hortélio no dia 14 de Novembro de 2018 ⋅ 21:00 em Brasil

A maioria dos magistrados compreendeu que a punição para quem deixa o local do acidente não fere a garantia do cidadão de não ser obrigado a produzir prova contra si mesm...