Brasil

Advogado é discriminado e barrado em bar por estar vestido \'como um segurança\'

Um advogado negro foi mais uma vítima de racismo no Brasil. Ele, que também é youtuber e militante do empoderamento negro, foi impedido de entrar em um bar porque seria confundido com um segurança. Suas roupas eram: camisa preta, calça social, sapato marrom e gravata preta, e segundo o relato de Juliano Trevisan no Facebook, outras pessoas estavam vestidas da mesma maneira no local. [Leia mais...]

[Advogado é discriminado e barrado em bar por estar vestido \'como um segurança\']
Foto : Reprodução/ Facebook

Por Luiza Leão no dia 16 de Julho de 2017 ⋅ 15:54

Um advogado negro foi mais uma vítima de racismo no Brasil. Ele, que também é youtuber e militante do empoderamento negro, foi impedido de entrar em um bar porque seria confundido com um segurança. Suas roupas eram: camisa preta, calça social, sapato marrom e gravata preta, e segundo o relato de Juliano Trevisan no Facebook, outras pessoas estavam vestidas da mesma maneira no local. O episódio ocorreu no James Bar, em Curitiba, na quinta-feira (13).

'O funcionário me olhou dos pés a cabeça e informou que pelo meu estilo, com 'a roupa que estava usando eu não poderia entrar'. (...) Na hora a situação me chocou tanto, que fiquei bobo. Não quis discutir, não quis acabar com minha noite e de meus amigos, então simplesmente falei que iria embora', relatou o advogado. Na rede social, Juliano conta que estava com outros advogados em um evento e que decidiram ir à casa noturna logo em seguida, por isso a seriedade das roupas.

Militante, o advogado afirmou ainda que está acostumado a ver situações discriminatórias. 'Mas quando acontece comigo, ainda fico chocado sem ação', confessou.

'Me sinto humilhado, olhei mil vezes minha roupa, até entender que o problema não é minha roupa, não é meu estilo, não sou eu. E preciso sim, expor esta situação a vocês e demonstrar quão grave ela é, e o que ela representa socialmente falando nos dias de hoje 'parecendo um segurança'', acrescentou.

James Bar

Após o ocorrido, a empresa escreveu uma carta para se retratar com o advogado. O bar afirmou que o que ocorreu foi uma 'atitude errada'. O funcionário foi demitido.

 

Comentarios

Notícias relacionadas

[Rosa Weber é eleita presidente do TSE]
Brasil

Rosa Weber é eleita presidente do TSE

Por Metro1 no dia 20 de Junho de 2018 ⋅ 13:40 em Brasil

Ministra vai presidir as eleições de outubro e deve permanecer no cargo até maio de 2020