Brasil

"A Lava Jato não vai acabar tão cedo", afirma Deputado Federal

Em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta quinta-feira (27), o Deputado Federal Antônio Imbassahy (PSDB-BA) falou sobre a CPI que vai presidir ainda hoje, em Brasília, e visa investigar os envolvidos no escândalo da Lava Jato. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Divulgação

Por Camila Tíssia no dia 27 de Agosto de 2015 ⋅ 09:43

Em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta quinta-feira (27), o Deputado Federal Antônio Imbassahy (PSDB-BA) falou sobre a CPI que vai presidir ainda hoje, em Brasília, e visa investigar os envolvidos no escândalo da Lava Jato. "Estou aqui já no Congresso e vamos instalar uma sessão da CPI, que está se organizando pra ir à Curitiba ouvir todos os que estão lá presos, como o ex-ministro José Dirceu, que deve ser ouvido pela CPI da próxima semana. A gente tem que aplaudir e elogiar o MPF, a PF, o próprio juiz federal Sérgio Moro. Essas coisas todas dão a nós uma esperança nesse momento tão difícil da economia quebrada, de desemprego e de inflação", comentou.

Imbassahy falou também não acreditar que a Operação Lava Jato acabe tão cedo. "A população está percebendo que a magnitude da corrupcão é enorme e há indicações fortes de que a roubalheira não aconteceu só na Petrobras, mas também na Eletrobras e em outras estatais", disse. 

O deputado afirmou que é uma crise em uma proporção enorme e foram desviados mais de 3 bilhões, só do balanço da Petrobras, no total foram mais de 6 bilhões. "É muito dinheiro. A crise envolve senadores, ex-governadores, ex-ministros, grandes empresários... Mas isso tudo é bom. O que não podia era ficar tantos e tantos anos assim. Desde 2003, quando a própria Polícia Federal disse em inquérito que foi instalada uma organização criminosa na Petrobras. São anos e anos de saqueamento da principal empresa brasileira", enfatizou.

Notícias relacionadas

[Prefeito é assassinado no interior do Maranhão]
Brasil

Prefeito é assassinado no interior do Maranhão

Por Alexandre Galvão no dia 11 de Novembro de 2018 ⋅ 17:30 em Brasil

O inquérito sobre o assassinato está a cargo da Delegacia de Homicídio e Proteção a Pessoas. A polícia ainda não se manifestou sobre o caso