Brasil

Miliciano afirma que Escritório do Crime matou Marielle

De acordo com Orlando de Curicica, a morte de Marielle e Anderson teria custado R$ 200 mil

[Miliciano afirma que Escritório do Crime matou Marielle]
Foto : Renan Olaz/CMRJ

Por Marina Hortélio no dia 22 de Setembro de 2018 ⋅ 17:00

Em depoimento, o miliciano Orlando Oliveira de Araújo, conhecido como Orlando de Curicica, afirmou que a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes foram mortos pelo Escritório do Crime do Rio de Janeiro, um grupo de matadores de aluguel formado por policiais militares da ativa e ex-policiais.

A Delegacia de Homicídios da Capital aponta Orlando como um dos principais suspeitos do assassinato da vereadora. Apesar de afirmar saber quem matou Marielle, o miliciano diz que desconhece as motivações do assassino.

Ainda de acordo com Orlando de Curicica, a morte de Marielle e Anderson teria custado R$ 200 mil. A Delegacia de Homicídios da Capital começou a levar em conta a linha de investigação que envolve o Escritório do Crime há um mês. Dois suspeitos de fazer parte do grupo já foram ouvidos.

Notícias relacionadas