Brasil

Envolvido no furto ao Banco Central de Fortaleza terá redução de pena mesmo sem ter sido preso

Caso ocorreu em 2005; acusado, que continua foragido, ficará três anos a menos na prisão

[Envolvido no furto ao Banco Central de Fortaleza terá redução de pena mesmo sem ter sido preso]
Foto : Divulgação

Por Juliana Rodrigues no dia 09 de Outubro de 2018 ⋅ 14:00

Um dos envolvidos no furto do Banco Central do Brasil, em Fortaleza (CE), vai ter a pena reduzida sem nunca ter sido capturado.

A defesa de Antônio Artenho da Cruz, conhecido como "Bode", recebeu ontem (8) a notícia de que a Justiça decidiu pela extinção da punibilidade pelo crime de formação de quadrilha. Assim, Artenho ficará três anos a menos na prisão. No entanto, o acusado continua foragido pelos delitos de lavagem de dinheiro e furto qualificado.

Em junho de 2017, Artenho já havia tido uma redução de pena determinada pelo STJ, de 27 anos e sete meses, para 13 anos de prisão. Com a nova decisão, a previsão é que ele deva passar dez anos na cadeia, caso seja capturado.

Artenho fez parte da quadrilha que furtou mais de R$ 164 milhões do Banco Central de Fortaleza, em agosto de 2005. Até 2015, 133 pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público Federal por participação no crime. Destas, 94 foram condenadas.

Notícias relacionadas