Brasil

Vale pediu autorização para obras que colocavam barragem em risco; governo aprovou

Elaborado em julho de 2018 a pedido da própria Vale, o laudo da companhia alemã atestou a estabilidade da estrutura, mas detectou problemas no sistema de drenagem e fez ressalvas

[Vale pediu autorização para obras que colocavam barragem em risco; governo aprovou]
Foto : Divulgação/Vale

Por Clara Rellstab no dia 10 de Fevereiro de 2019 ⋅ 07:30

Pouco mais de um mês antes da tragédia provocada pelo rompimento de uma barragem em Brumadinho, a Vale obteve autorização do governo de Minas Gerais para expandir as minas do Córrego do Feijão, onde ocorreu o desastre.

No entanto, as obras previstas contrariavam algumas recomendações de segurança do relatório da consultora Tüv Süd, segundo o site G1.

Elaborado em julho de 2018 a pedido da própria Vale, o laudo da companhia alemã atestou a estabilidade da estrutura, mas detectou problemas no sistema de drenagem e fez ressalvas – a estabilidade do alteamento estava no limite de segurança das normas brasileiras.

O documento da consultoria recomendou proibir explosões nas redondezas da mina, evitar o tráfego de veículos e equipamentos pesados e impedir a elevação do nível da água na estrutura.

Já o licenciamento para expansão das minas aprovado em 11 de dezembro pela Secretaria do Meio Ambiente (Semad) de Minas Gerais previa uso de explosivos, retroescavadeiras para remoção mecânica de rejeitos e caminhões de grande porte para transportar materiais.

Notícias relacionadas

[Ex-secretário da Casa Civil do RJ é preso pela PF]
Brasil

Ex-secretário da Casa Civil do RJ é preso pela PF

Por Juliana Rodrigues no dia 15 de Fevereiro de 2019 ⋅ 10:00 em Brasil

Régis Fichtner é acusado de receber propinas no valor de R$ 1,5 milhão enquanto chefiava a pasta, no governo de Sérgio Cabral

[Bolsonaro não abre agenda para Bebianno]
Brasil

Bolsonaro não abre agenda para Bebianno

Por Kamille Martinho no dia 15 de Fevereiro de 2019 ⋅ 08:40 em Brasil

O ministro tentava articular a sua permanência no governo e para isso esperava ser recebido por Bolsonaro, o que não aconteceu