Cidade

Gil elogia "tendência quase irreversível" do carnaval sem cordas

Em entrevista ao Metro1, Gilberto Gil falou sobre o crescimento do movimento por um carnaval sem cordas. Segundo ele, a "tendência quase irreversível" de se instituir uma festa com cada vez mais blocos populares já acontece há muito tempo, mas só recentemente ganhou notoriedade. [Leia mais...]

[Gil elogia
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Matheus Simoni e Gabriel Nascimento no dia 05 de Fevereiro de 2016 ⋅ 22:09

Em entrevista ao Metro1, Gilberto Gil falou sobre o crescimento do movimento por um carnaval sem cordas. Segundo ele, a "tendência quase irreversível" de se instituir uma festa com cada vez mais blocos populares já acontece há muito tempo, mas só recentemente ganhou notoriedade.

"O que você está vendo é um crescimento mais visível disso. Um crescimento que manifesta uma tendência quase que irreversível. Esse crescimento do Carnaval e do pré-carnaval mais popular, mais solto e mais fragmentado, com blocos pequenos, com manifestações de bairros do subúrbio e etc... Essa tendência está forçando o Carnaval mais oficial dos quatro dias, digamos dos quatro dias- sábado, domingo, segundo e terça-, a se tornar um carnaval mais solto e popular. A pipoca vem reivindicando espaço há muitos anos", disse Gil.

Ainda segundo o cantor e compositor, a cada dia, os artistas buscam novos meios para aderir ao movimento popular. "A internet, os telefones celulares, todas essas coisas estão disseminando muito fortemente a presença desses artistas em setores amplos da sociedade, como nunca tinha sido até agora. Isso tudo é uma tendência natural. Os próprios patrocinadores, que são as grandes fontes financiadoras do carnaval. Os produtores de bebida, os meios de comunicação, os bancos e os produtores de internet, todo esse pessoal também gosta que o carnaval seja mais amplo e mais democrático, atingindo um maior número de pessoas. Porque isso é bom para suas estratégias de marketing e tudo mais. Todos os fatores levam a essa abertura maior do carnaval", afirmou.

Notícias relacionadas