Cidade

Estação Pirajá terá horário estendido a partir desta quinta-feira

A data marca o início da operação comercial da Estação Pirajá, com cobrança de tarifa, oferecendo ao usuário uma viagem de 18 minutos até a Estação Lapa, sem precisar desembarcar em Bom Juá para transferência de trens. [Leia mais...]

[Estação Pirajá terá horário estendido a partir desta quinta-feira]
Foto : Tácio Moreira / Metropress

Por Camila Tíssia no dia 10 de Fevereiro de 2016 ⋅ 16:26

A partir desta quinta-feira (11), a Estação Pirajá funcionará em horário estendido. De acordo com a CCR Metrô Bahia e a Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedur), com isso, a estação funcionará de segunda à sexta-feira, das 5h30 às 22h e, aos sábados, das 5h30 às 14h30. Aos domingos e feriados, o metrô fica fechado para obras de ampliação do sistema.
 
A data marca o início da operação comercial da Estação Pirajá, com cobrança de tarifa, oferecendo ao usuário uma viagem de 18 minutos até a Estação Lapa, sem precisar desembarcar em Bom Juá para transferência de trens. As linhas de ônibus que tem parada no Terminal de Integração de Passageiros Pirajá ainda não fazem integração com o metrô. Para embarcar no metrô, o passageiro terá de comprar o cartão nas bilheterias do Metrô. A tarifa custa R$ 3,30.
 
A Linha 1 do metrô é composta por oito estações (Lapa, Campo da Pólvora, Brotas, Bonocô, Acesso Norte, Retiro, Bom Juá e Pirajá), com 12 km de extensão. A linha 2 está em ritmo avançado de obras, com previsão de conclusão em 2017
 
Para mais informações, o usuário pode ligar para a Central de Atendimento da CCR Metrô Bahia no 0800 071 8020 ou acessar www.ccrmetrobahia.com.br.
 
Serviço
Estação Pirajá
R$ 3,30 tarifa
Segunda à sexta-feira: das 5h30 às 22h
Sábados: das 5h30 às 14h30
Domingos e feriados: fechado para obras de ampliação do sistema.

Comentarios

Notícias relacionadas

[Funcionários da Embasa decretam greve]
Cidade

Funcionários da Embasa decretam greve

Por Metro1 no dia 19 de Junho de 2018 ⋅ 10:26 em Cidade

Os empregados estão em campanha salarial e o cruzar de braços é um protesto pela falta de avanço nas negociações do acordo coletivo de trabalho deste ano