Cidade

Fazenda Grande do Retiro: ônibus não circulam no final de linha por medo

Somente este ano, de 2016, alguns rodoviários de Salvador foram vítimas de assalto três vezes, no final de linha da Fazenda Grande do Retiro. A terceira ocorrência foi na manhã deste domingo (28). A categoria alega que está com medo e protesta por conta da falta de segurança no local. Com isso, os ônibus do transporte coletivo não circulam no final de linha do bairro. A afirmação foi feita, ao Metro1, pelo vice-presidente do Sindicato dos Rodoviários, Fábio Primo. [Leia mais...]

[Fazenda Grande do Retiro: ônibus não circulam no final de linha por medo]
Foto : Tácio Moreira / Metropress

Por Camila Tíssia no dia 28 de Fevereiro de 2016 ⋅ 17:32

Somente este ano, de 2016, alguns rodoviários de Salvador foram vítimas de assalto três vezes, no final de linha da Fazenda Grande do Retiro. A terceira ocorrência foi na manhã deste domingo (28). A categoria alega que está com medo e protesta por conta da falta de segurança no local. Com isso, os ônibus do transporte coletivo não circulam no final de linha do bairro. A afirmação foi feita, ao Metro1, pelo vice-presidente do Sindicato dos Rodoviários, Fábio Primo.

De acordo com a categoria, o policiamento foi até reforçado na localidade, mas que outras medidas precisam ser tomadas. "A gente vem sendo assaltado constantemente. Não é o ônibus e sim os rodoviários, tendo seus pertences levados como, celulares, dinheiro, corrente, relógio. A gente não pode dizer que a polícia não deu apoio, porque ela deu sim, mas eu acho que a inteligência das Polícias Militar e Civil têm que entrar em campo sim para inibir e tirar esses bandidos de circulação pra que a população possa ter o seu ônibus no final de linha normalmente", disse Fábio.

O vice-presidente também explicou como fica a rota das oito linhas dos coletivos que circulam no bairro, durante o protesto. Segundo ele, os passageiros que circulam nos carros com destino à Itapuã, Engenho Velho de Brotas, Engenho Velho da Federação, Brotas, Ribeira, Lapa, Pernambués, além de Barra e Ondina, fazem o embarque e desembarque na localidade conhecida como “Gráfica”, até onde os ônibus estão indo e então fazem o retorno. "Os ônibus que vão para Barra e Ondina já não existe mesmo o final de linha. Os outros seis passam pelo final de linha e então eles estão fazendo esse roteiro e depois descansam no outro terminal", falou.

O protesto ainda continua nesta segunda-feira (29) e, de acordo, com Fábio a decisão para saber quando os ônibus voltam a circular normalmente deve acontecer amanhã. "Isso vai ser decidido em uma nova reunião. Hoje eu tive com o presidente e amanhã faremos uma assembleia [entre 8 e 9 horas] para devcidir se continua o protesto na terça. É uma forma de não prejudicar 100% a populção, porque temos uma responsbilidade social também. Não recolhemos todos os ônibus porque a gente sabe que a sociedade precisa da gente", competou.

Em nota enviada ao Metro1, a Polícia Militar afirmou que o policiamento foi intensificado na região com viaturas de radiopatrulhamento da “Gêmeos” e da 9ª Companhia Independente. "Recebemos a informação do roubo de um celular de propriedade de um rodoviário nas proximidades do final de linha da Fazenda Grande do Retiro, tendo a PM deslocado, de pronto, uma viatura a fim de realizar diligências para tentar identificar a vítima e o autor", diz a nota.

Até o momento ninguém foi preso, e a PM ainda pediu que a população colabore com informações, por meio do Disque Denúncia (3235-0000) ou acione o 190, para reforçar as ações da polícia.

Leia mais:
Motoristas e cobradores protestam após tiroteio na Fazenda Grande do Retiro

Notícias relacionadas