Cidade

Estudantes da Uneb fazem 5º protesto e trânsito é lento na Avenida Paralela

Os Integrantes dos seis cursos da área da saúde da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) estão reunidos na Avenida Luis Viana Filho, a Paralela, na altura do Bahia Café Hall para uma nova manifestação, nesta terça-feira (1). Hoje é o 5º protesto realizado pelos estudantes. [Leia mais...]

[Estudantes da Uneb fazem 5º protesto e trânsito é lento na Avenida Paralela]
Foto : Divulgação / Aduneb

Por Camila Tíssia no dia 01 de Março de 2016 ⋅ 09:07

Os Integrantes dos seis cursos da área da saúde da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) estão reunidos na Avenida Luis Viana Filho, a Paralela, na altura do Bahia Café Hall para uma nova manifestação, nesta terça-feira (1). Hoje é o 5º protesto realizado pelos estudantes.

De acordo com informações da Transalvador, eles saíram em caminhada, em direção à Secretaria de Educação, localizada no CAB, o que deixa o trânsito lento na via, no sentido Aeroporto. O intuito é cobrar um posicionamento dos representantes do governador.

Segundo a Associação dos Docentes da Universidade do Estado da Bahia (Aduneb), o protesto será contra o governo Rui Costa, "que cortou o adicional de insalubridades dos professores e não oferece a infraestrutura necessária para o bom desenvolvimento dos cursos". Ainda de acordo com a Comissão de Mobilização, entre outros problemas, faltam professores, salas de aula, campo de prática, estrutura mínima em laboratórios e clínicas escola. 

Em nota, as secretarias estaduais da Administração e da Educação informaram que será realizada uma seleção para professores do curso de medicina da Uneb e que o edital da seleção Reda está sendo elaborado em conjunto pela universidade e pela Saeb. As secretarias também declararam que "as vagas de estágio serão garantidas aos alunos nas unidades de saúde do Estado, por meio de acordo de cooperação técnica a ser firmado entre a Uneb e a Secretaria de Saúde da Bahia".

Já com relação à insalubridade, a secretaria da Administração informou, também na nota, que "iniciou o processo de regularização após identificar concessões indevidas de insalubridade a servidores que atuam, exclusivamente, em condições laborais que não justificam o pagamento do referido adicional, conforme preconiza a legislação". Ainda de acordo com a Saeb, caso seja comprovado o pagamento do adicional de insalubridade, a concessão do benefício será restabelecida com retroatividade à data do corte.

Leia mais:

Em novo protesto, estudantes recolhem lixo da Uneb e levam para reitoria

Notícias relacionadas