Cidade

Terceirizados da limpeza agendam novo protesto na Governadoria

Uma nova manifestação dos trabalhadores terceirizados, que prestam serviço nas escolas estaduais da Bahia, acontecerá nesta quarta-feira (9), a partir das 8 horas, no prédio da Governadoria no Centro Administrativo da Bahia (CAB). [Leia mais...]

[Terceirizados da limpeza agendam novo protesto na Governadoria]
Foto : Divulgação / Sindilimp-BA

Por Camila Tíssia no dia 07 de Março de 2016 ⋅ 07:12

Uma nova manifestação dos trabalhadores terceirizados, que prestam serviço nas escolas estaduais da Bahia, acontecerá nesta quarta-feira (9), a partir das 8 horas, no prédio da Governadoria no Centro Administrativo da Bahia (CAB). De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Limpeza Pública, Comercial, Industrial, Hospitalar, Asseio, Prestação de Serviços em Geral, Conservação, Jardinagem e Controle de Pragas Intermunicipal (Sindilimp-BA) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT-BA), salários atrasados, e outros direitos trabalhistas, são motivos para o movimento.

"As trabalhadoras e trabalhadores terceirizados exigem respeito. São cidadãs e cidadãos e não podem ser tratados como lixo. Trabalhamos com lixo, mas não somos lixo. Não aceitamos ser tratados como pessoas de segunda classe onde seguranças nos impedem de usar sanitários e beber água nos bebedouros em prédios públicos sustentados e mantidos com nossos impostos", critica Ana Angélica Rabelo, coordenadora geral do Sindilimp-BA.

Já o diretor da CUT-BA, Edson Conceição Araújo, lembra que "o governador Rui Costa sabe o que é dificuldade. Um governador com uma história como ele não pode negar o direito de trabalhadoras e trabalhadores ingressarem na Governadoria, no CAB e deve estar aberto à negociação", enfatiza.

Entre as empresas que os trabalhadores reclamam estão, a AML, Basetec, C&C, Contratec, HD, Monkal, Sandes e Staff. Um outro protesto foi realizado na semana passada, mas parece que não houve mudanças. A Secretaria de Educação do Estado da Bahia chegou a se posicionar e dizer que as empresas que apresentam irregularidades seriam notificadas.

 

Notícias relacionadas