Cidade

Para Imbassahy, nomeação de Lula é uma tapa na cara da sociedade

O Líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Antonio Imbassahy, considera a nomeação do ex-presidente Lula para a Casa Civil, anunciada hoje, um tapa na cara da sociedade que foi às ruas, no último domingo (13), para pedir o fim do governo Dilma e apoiar a Operação Lava Jato [Leia mais...]

[Para Imbassahy, nomeação de Lula é uma tapa na cara da sociedade]
Foto : Tácio Moreira/ Metropress

Por Alaine Brasil no dia 16 de Março de 2016 ⋅ 19:43

O Líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Antonio Imbassahy, considera a nomeação do ex-presidente Lula para a Casa Civil, anunciada hoje, um tapa na cara da sociedade que foi às ruas, no último domingo (13), para pedir o fim do governo Dilma e apoiar a Operação Lava Jato.

“Em vez de se explicar e assumir as suas responsabilidades, o ex-presidente Lula preferiu fugir pelas portas do fundo. Vai assumir um ministério para garantir foro privilegiado e escapar do juiz Sérgio Moro. É uma confissão de culpa e um tapa na cara da sociedade. A presidente Dilma, ao convidá-lo, torna-se cúmplice dele”, afirmou Imbassahy.

Segundo Imbassahy, a nomeação de Lula é mais uma 'pá de cal' no já finado governo Dilma. “É um governo que não tem mais nenhuma serventia ao país, apenas ao PT, Lula e Dilma. O Estado brasileiro, depois de ter sido tomado de assalto nestes últimos 13 anos para abastecer os cofres de um projeto político, está sendo transformado em refúgio de investigados. Isso é inadmissível”, afirmou.

Ainda de acordo com o deputado, essa melancólica movimentação de Dilma é mais um elemento a acelerar o processo de impeachment. “A partir de hoje temos uma ex-presidente ocupando o mais alto cargo da República. O capítulo final dessa história será o seu impeachment”, disse.

Notícias relacionadas

[Fabrício Queiroz movimentou R$ 7 milhões em três anos]
Cidade

Fabrício Queiroz movimentou R$ 7 milhões em três anos

Por Leo Sousa no dia 20 de Janeiro de 2019 ⋅ 10:00 em Cidade

Nos arquivos do Coaf consta que as movimentações financeiras de ex-motorista de Flávio Bolsonaro tiveram um volume maior do que o que foi divulgado em dezembro