Cidade

Secretária diz que Mercado de Periperi não está abandonado: "Funciona sim"

A secretária de Ordem Pública da Prefeitura de Salvador, Rosemma Maluf, negou na manhã desta quinta-feira (11), em entrevista à Rádio Metrópole, que os problemas que acontecem no Mercado de Cajazeiras estejam acontecendo também no Mercado de Periperi. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Divulgação/ Agecom Prefeitura de Salvador

Por Matheus Morais e Gabriel Nascimento no dia 11 de Agosto de 2016 ⋅ 09:43

A secretária de Ordem Pública da Prefeitura de Salvador, Rosemma Maluf, negou na manhã desta quinta-feira (11), em entrevista à Rádio Metrópole, que os problemas que acontecem no Mercado de Cajazeiras estejam acontecendo também no Mercado de Periperi.

"O Mercado de Periperi funciona, fica a 50 metros da rua das pedrinhas onde antes ficavam os feirantes. O que acontece é que alguns feirantes insistem em retornar às ruas com carrinhos. O ordenamento é cultural. Salvador tem um índice grande de desemprego, o comércio informal é a porta de entrada para quem perdeu seu emprego, o mercado tem capacidade limitada e o novo ambulante que surge acaba indo para rua, mas mantemos a fiscalização constantemente. Mantemos as rondas rotineiras", disse. 

Inaugurado em novembro do ano passado com muita propaganda pela Prefeitura de Salvador, o Mercado de Cajazeiras acumula reclamações de ambulantes. Dos 133 boxes disponibilizados, grande parte está às moscas e comerciantes amargam prejuízos. Além da falta de fregueses, os comerciantes que tentam permanecer no mercado reclamam da ausência de segurança, de infraestrutura básica para o comércio de frutas e verduras e cobram ainda o cumprimento de promessas feitas pela secretaria de Ordem Pública (Semop).

Notícias relacionadas

[AI-5 é uma 'mancha na vida do Brasil', diz MK; ouça]
Cidade

AI-5 é uma 'mancha na vida do Brasil', diz MK; ouça

Por Metro1 no dia 13 de Dezembro de 2018 ⋅ 08:48 em Cidade

Aniversário de 50 anos do decreto que endureceu a ditadura militar foi um dos assuntos trazidos por Mário Kertész em comentário na Rádio Metrópole