Cidade

Beth Wagner fala de experiência na Câmara: "Não sinto falta da política"

A ex-vereadora Beth Wagner, uma das homenageadas na exposição virtual "Vereadoras de Salvador 1936-2016", inaugurada nesta quinta-feira (25), pela Câmara Municipal de Salvador (CMS), falou ao Metro1 sobre a sua experiência na Casa e disse não sentir falta da política. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira/ Metropress

Por Jessica Galvão, Matheus Simoni e Matheus Morais no dia 25 de Agosto de 2016 ⋅ 17:44

A ex-vereadora Beth Wagner, uma das homenageadas na exposição virtual "Vereadoras de Salvador 1936-2016", inaugurada nesta quinta-feira (25), pela Câmara Municipal de Salvador (CMS), falou ao Metro1 sobre a sua experiência na Casa e disse não sentir falta da política.

"Estou imersa na política de outras formas sem o mandato e com participação na sociedade civil. A experiência na Câmara foi muito significativa para mim. [...] Fizemos um trabalho impressionante na Lei Orgânica [LOM], a Constituição do Município. Todas as políticas das mulheres e políticas do meio ambiente e urbanas passaram pelo nosso mandato. Tínhamos uma articulação impressionante com a sociedade civil, que procurava os nossos mandatos. No meio ambiente, estávamos muito articuladas com Gilberto Gil. Tivemos esse mérito, como mandato que mais apresentou emendas e que mais teve emendas aprovadas na LOM. Uma grande parte dela é a nossa cara hoje. É um legado dessa política. A Câmara tinha somente duas mulheres naquela época. O que Aladilce está fazendo aqui para rememorar a presença das mulheres na política municipal é muito significativo, até porque estamos vivendo um momento tão difícil no Brasil e tão duro no ponto de vista político de comprometimento visceral da democracia do país", falou. 

Na ocasião, Beth falou ainda sobre a presidente afastada Dilma Rousseff e dizendo que ela é vítima de golpe. "Um dos grandes motivos disso é o fato da presidenta eleita com 54 milhões de votos ser uma mulher, que está sofrendo um golpe, sem ter cometido erro e nem nada. Simplesmente por ter desagradado políticos que não convergiram com as propostas dela e resolveram promover esse golpe porque não ganham nas urnas", concluiu. 

Leia também:

>> Eliana Kertész foi o 'fenômeno eleitoral, imbatível até hoje', diz Aladilce

Notícias relacionadas