Cidade

Laudo diz que produtor foi morto por "objeto contundente" no Rio Vermelho

O laudo necroscópico do estudante e produtor de eventos Leonardo Moura revelou que a vítima foi morta por instrumento contundente - que provocam lesões por pressão exercida, batendo ou chocando. A informação foi divulgada pelo Jornal Correio. Leonardo morreu em julho deste ano, dois dias após ser encontrado inconsciente na Praia da Paciência, no bairro do Rio Vermelho. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Divulgação/ASCOM PC/ Reprodução/Facebook

Por Matheus Simoni no dia 03 de Setembro de 2016 ⋅ 09:02

O laudo necroscópico do estudante e produtor de eventos Leonardo Moura revelou que a vítima foi morta por instrumento contundente - que provocam lesões por pressão exercida, batendo ou chocando. A informação foi divulgada pelo Jornal Correio. Leonardo morreu em julho deste ano, dois dias após ser encontrado inconsciente na Praia da Paciência, no bairro do Rio Vermelho.

Segundo a Polícia Civil, o inquérito apontou que o rapaz foi morto após cair da balaustrada e apontou o caso da morte do rapaz como "acidental". No entanto, o Ministério Público da Bahia (MP-BA) pediu novas investigações sobre o caso. "O laudo diz que ele teve lesões provocadas por instrumento contundente. Isso pode ser uma paulada. Pode ser a pessoa caída no chão, levando chutes repetidamente. Pelo laudo e pelos depoimentos, ele foi colocado no local. É completamente incompatível com uma queda", disse o advogado Leite Matos ao jornal.

Ainda segundo o laudo obtido pelo Correio, Leonardo morreu em decorrência de anemia aguda devido a "lesão renal direita" e "hematoma retroperitonial, com trombose cardíaca". A possibilidade da queda não é descartada de maneira categórica. O MP-BA deu um prazo de 30 dias para que a Polícia Civil conclua as novas diligências, que incluíam, além do laudo, novos depoimentos e produção de novas provas, entre outros. O prazo termina na próxima semana. Quando o inquérito for reenviado, caberá ao Ministério Público decidir o que fazer. "O que posso fazer é buscar a verdade real. Na minha opinião, já tem elementos para denúncia, mas eu não posso dizer o que o MP tem que fazer", acrescenta o advogado. Ele também questiona os depoimentos de algumas testemunhas. "Basta ler com atenção para ver que têm depoimentos adestrados".

A Polícia Civil informou que não vai se pronunciar mais sobre o caso. Familiares de Leonardo disseram que ele saiu da boate San Sebastian, no Rio Vermelho, nas primeiras horas da manhã do sábado (9 de julho) e seguiu, sozinho, até a Praia da Paciência, onde teria sido agredido. Socorrido por uma unidade móvel do Samu, Leonardo foi levado para o Hospital Geral do Estado, mas acabou falecendo na manhã de segunda-feira (11). O relatório de necropsia aponta que o rapaz deu duas entradas na unidade. Testemunhas ouvidas pela polícia afirmaram que o rapaz caiu da balaustrada.

Notícias relacionadas

[AI-5 é uma 'mancha na vida do Brasil', diz MK; ouça]
Cidade

AI-5 é uma 'mancha na vida do Brasil', diz MK; ouça

Por Metro1 no dia 13 de Dezembro de 2018 ⋅ 08:48 em Cidade

Aniversário de 50 anos do decreto que endureceu a ditadura militar foi um dos assuntos trazidos por Mário Kertész em comentário na Rádio Metrópole

[Aeroporto de Salvador recebe segunda etapa de requalificações]
Cidade

Aeroporto de Salvador recebe segunda etapa de requalificações

Por Matheus Simoni no dia 12 de Dezembro de 2018 ⋅ 12:20 em Cidade

As adequações na infraestrutura são necessárias para a instalação da nova Central de Água Gelada (CAG), com maior capacidade de resfriamento e previsão para começar a ope...