Cidade

Comprados em 2014, novos ferries já submetem baianos a velhos problemas

Há quanto tempo você ouve notícias sobre filas enormes, falta de estrutura ou poucas embarcações no ferryboat de Salvador? A sensação de que as coisas melhorariam com a Internacional Travessias, que assumiu em 2014, já virou água há muito tempo, e agora a lista de problemas ganhou mais um item [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Bárbara Silveira no dia 15 de Outubro de 2016 ⋅ 08:30

Há quanto tempo você ouve notícias sobre filas enormes, falta de estrutura ou poucas embarcações no ferryboat de Salvador? A sensação de que as coisas melhorariam com a Internacional Travessias, que assumiu em 2014, já virou água há muito tempo, e agora a lista de problemas ganhou mais um item: desde 1º de setembro, não havia nenhuma embarcação com elevador para facilitar o acesso de deficientes físicos ou pessoas com dificuldade de locomoção. Em nota enviada ao Metro1, a empresa afirmou que o equipamento foi corrigido, e "a população vem fazendo uso dele desde a quinta-feira passada (13)".

Das nove embarcações, somente a Dorival Caymmi era acessível, mas após uma pane no elevador, Josemário Pinheiro, de 66 anos, precisa enfrentar escadas  e rampas inseguras com suas muletas. “Já caí várias vezes. Além desse problema, eu tenho labirintite. Ainda levei duas pessoas para o chão ”, lamentou. 

Difícil de entender é o motivo de a Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba), que tem como função fiscalizar a operação da Internacional Travessias, não tomar uma providência. 

Banheiros sujos e calor tomando conta
Adquirido na Grécia, o Dorival Caymmi parece não aguentar o calor da Bahia. Na última segunda, por volta das 12h, os passageiros se aglomeravam nas saídas de refrigeração, em busca de um refresco. “Os banheiros não são limpos. Este ainda é razoável, mas nos outros a gente vê coisas deploráveis”, reclama Vandi Santos, que mora em Itaparica e faz a travessia duas vezes por semana. “É uma desorganização muito grande. Era para ter ferry extra e nunca tem. Você chega faltando dez minutos e não embarca por falta de organização deles”, completa a fonoaudióloga Kelly Vieira.

Prioridade para quem?
Israel Correia precisa usar o ferry frequentemente para ir ao médico em Salvador. Andando com a ajuda de muletas, ele deparou com o elevador quebrado na última segunda.

Segundo ele, a fila para prioridade é outro problema. “O sistema sempre está fora do ar. Não é rápida hora nenhuma. A pessoa deveria mostrar a carteira [ao funcionário] e passar. Mas espera na fila, mostra a carteira, a atendente digita, pega um cartão de passagem e entrega. Tenho marcapasso e não posso passar na roleta, mas hoje tive que passar porque não tinha passagem”, reclamou Israel.

Multas são pagas? Agerba silencia
O diretor-executivo da Agerba, Eduardo Pessoa, afirmou que a Internacional já foi notificada para reparar o elevador do Dorival Caymmi. “Eles têm até quinta-feira para colocar para funcionar. Senão, serão multados”, disse.  Apesar de assegurar que cobra as multas, quando procurado para detalhar quantas foram pagas pela Internacional Travessias, Pessoa não foi encontrado. Detalhe: segundo a Agerba, ele é o único que possui os dados.

Vistoria

De acordo com a Internacional, o elevador do Dorival teve um “desalinhamento nos sensores laterais da porta”, o que compromete a segurança. OJá sobre o Zumbi dos Palmares, adquirido em 2014, a empresa afirmou que ele está parado desde julho para vistoria e reparos previstos em lei, assim como o Juracy Magalhães. Ambos realizam a revisão de equipamentos elétricos e hidráulicos, peças de motor e assentos.

A Internacional rebateu ainda as críticas sobre falta de limpeza e demora na fila de prioridade. Sobre a espera, a empresa afirmou que assegura a porcentagem determinada pela lei. “Devido ao grande volume (...), especialmente em feriados e finais de semana, ampliamos o número de guichês para este público”, disse. A Agerba também alegou não ter grandes filas de pedestres. “Está solucionado”.

Notícias relacionadas