Cidade

Chega ao fim rebelião em presídio de Feira de Santana; secretário culpa facções

Após 18 horas, a rebelião no Pavilhão 10 do Conjunto Penal de Feira de Santana, a 108 quilômetros de Salvador, terminou na manhã desta segunda (25). O secretário de Administração Penitenciária e Ressocialização, Nestor Duarte, lamentou a morte de 8 presos [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução/G1

Por Bárbara Silveira no dia 25 de Maio de 2015 ⋅ 09:23

Após 18 horas, a rebelião no Pavilhão 10 do Conjunto Penal de Feira de Santana, a 108 quilômetros de Salvador, terminou na manhã desta segunda-feira (25). Em entrevista à Rádio Metrópole, o secretário de Administração Penitenciária e Ressocialização, Nestor Duarte, lamentou a morte de 8 presos. "Lastimável uma situação como essa, facções criminosas brigando entre si. É uma coisa atípica uma rebelião assim, mas temos que lamentar os 8 internos que morreram", disse.

De acordo com o secretário, as negociações que foram interrompidas na noite do último domingo (24), foram retomadas por volta das 7h desta segunda. "Eles se entregaram e estão todos sendo revistados e ouvidos pela DHPP. Em seguida, sairão as visitas, cerca de 80 pessoas. Eu espero que essa situação continue sobre controle, outros pavilhões estão todos tranquilos. Eles não fizeram nenhum tipo de reivindicação, o que reafirma que era realmente uma rixa de crime organizado", garante.

Nos próximos dias, os responsáveis pela unidade prisional devem se reunir com a juíza responsável pela comarca e com representantes dos Direitos Humanos para discutir a transferência de detentos suspeitos de organizarem a ação. "Mas tudo isso com ordem judicial. Parece que um líder de uma facção criminosa de Feira de Santana foi um dos mandantes, uma investigação vai apurar quem são os responsáveis", disse Duarte.

Notícias relacionadas

[Imóvel pega fogo em Fazenda Grande 4]
Cidade

Imóvel pega fogo em Fazenda Grande 4

Por Luiza Leão no dia 15 de Agosto de 2018 ⋅ 16:40 em Cidade

Segundo a corporação, não houve vítimas e outras residências próximas não foram atingidas