Cidade

Musse aconselha familiares de doentes terminais: “Deixem ir”

Para o cardiologista Neif Musse, há uma necessidade dos familiares liberarem a pessoa para a morte. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Matheus Morais no dia 28 de Julho de 2015 ⋅ 18:37

Para o cardiologista Neif Musse, há uma necessidade dos familiares liberarem a pessoa para a morte. “É uma coisa interessante, inexplicável e espiritualizada no que eu vou contar. O paciente está em casa ou no hospital. As pessoas choram, os familiares ficam tristes, e a pessoa não vai. Isso, no fundo, acaba sendo egoismo. A gente não quer liberá-la. Aconselho aos familiares que deixem ela ir. Quando a família está próxima de alguém que está para ir, e ela libera, a pessoa vai na tranquilidade. Quando uma pessoa melhora, todos comemoram, as orações dão certo e as pessoas saem da tristeza. E aí a pessoa acaba morrendo. Quando alguém vai melhorando e melhorando, pode não ser uma melhora”, analisou durante o Entre Páginas, transmitido direto do Teatro Eva Herz, ao vivo, pela Rádio Metrópole, nesta terça-feira (28).

Notícias relacionadas