Cidade

Hospital Espanhol corre risco de falência e reclama de falta de apoio

O que sobra de promessas não cumpridas para a volta do Hospital Espanhol falta de esperança de vê-lo funcionando. Com 270 leitos, a unidade fechou as portas em setembro de 2014 e continua sem funcionar até hoje [Leia mais...]

[Hospital Espanhol corre risco de falência e reclama de falta de apoio]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Bárbara Silveira no dia 16 de Fevereiro de 2017 ⋅ 06:40

O que sobra de promessas não cumpridas para a volta do Hospital Espanhol falta de esperança de vê-lo funcionando. Com 270 leitos, a unidade fechou as portas em setembro de 2014 e continua sem funcionar até hoje.

Presidente do hospital acusa governo de abandono
Dois anos e meio depois, a presidente da Real Sociedade Espanhola de Beneficência, Niéves Andrés Gonzalez, cobra a ajuda prometida pelo governo do estado, que segundo ela, não está dando apoio nenhum para solucionar a questão. “São orgãos que podem viabilizar a abertura do Espanhol. Eles aparecem de um jeito e, na verdade, estão agindo de outra forma”, reclama. 

“Quem vai investir num hospital que tem pedido de falência?”

Em outubro de 2016, a Agência de Fomento do Estado da Bahia (Desenbahia) pediu a falência do Hospital. Segundo a presidente do Espanhol, a medida só atrapalha a venda. “Não concordamos. É completamente inviável. Estamos em litígio judicial contra o pedido. O governo teria que auxiliar a gente no sentido de atrair investidores, dar isenções, modalidades de negócios, e não complicar. Qual investidor vai investir em um hospital que tem um pedido de falência?”, questiona Niéves. 

Promédica desistiu de comprar hospital por se assustar com dívida
Em setembro de 2015, o grupo Promédica apresentou uma proposta para a compra do Espanhol. Mas, de acordo com a coordenadora do Fórum Independente dos Sócios, Amigos e Colaboradores do Hospital Espanhol (Fisache), Miriam Bulhões, as negociações não deram certo por causa do tamanho do passivo da unidade. “Não prosperou, infelizmente. A  dívida trabalhista lá é muito alta e isso inibe os investidores”, contou Miriam Bulhões.

Promessas de Fábio Vilas Boas começaram antes mesmo de assumir secretaria
As promessas de “luz no fim do túnel” para o Espanhol ficaram só no papel. Quando ainda era diretor médico da Unidade, o atual secretário de Saúde do Estado, Fábio Vilas Boas, já prometia e prometia. Em novembro de 2014, ele disse que o hospital reabriria as portas em fevereiro do ano seguinte. Em julho de 2015, já secretário, Vilas Boas assegurou que a solução viria. “Nesses próximos 30 a 45 dias estamos concluindo uma série de conversas, avançadas, e muito, muito em breve anunciaremos de que forma o problema do Hospital será  solucionado”, afirmou. 

“Não sei como ela fala isso”
O secretário de Saúde do Estado, Fábio Vilas Boas, negou que o governo tenha deixado de ajudar a solucionar a questão. “Não sei como ela [presidente do Espanhol] pode dizer isso se ela nunca me procurou para conversar sobre o Espanhol”, disse. Sobre o pedido de falência feito pela Desenbahia, Fábio disse que não pode opinar, mas assegurou que as reuniões entre governo e direção continuam: “A gente está acompanhando a situação e tentando viabilizar”. 

MP analisa crime de improbidade 
A promotora do Ministério Público da Bahia Patrícia Machado é a responsável por investigar se houve crime de improbidade administrativa na gestão do Espanhol. Em contato com o Jornal da Metrópole, Patrícia afirmou que as investigações devem ser finalizadas neste ano.

Notícias relacionadas