Cidade

Manifestantes partem do Campo Grande para ato contra reformas

Um grupo de manifestantes já começou a se reunir no Largo do Campo Grande, na região do centro, para o ato contra as reformas da Previdência e Trabalhista, marcada para as 15h desta sexta-feira (28). [Leia mais...]

[Manifestantes partem do Campo Grande para ato contra reformas]
Foto : Gabriel Carvalho/Leitor Metro1

Por Laura Lorenzo no dia 28 de Abril de 2017 ⋅ 15:18

Um grupo de manifestantes se reuniu no Largo do Campo Grande, na região do centro, para o ato contra as reformas da Previdência e Trabalhista, marcada para as 15h desta sexta-feira (28).

O grupo começou a sair em passeata por volta das 15h40, quando começaram a ocupar a via. Por volta das 16h30, os manifestantes chegavam à altura do Forte de São Pedro. Às 17h, o grupo passava pelo Colégio Nossa Senhora das Mercês. Manifestantes passavam pela altura da Insinuante às 17h30. O grupo chegava na Praça Castro Alves por volta das 18h10. De acordo com a Transalvador, contudo, o fluxo de veículos na região é pequeno e por isso ainda não há retenção. 

Por conta do ato, o tráfego foi desviado e os veículos que vem da rua João das Botas estão tendo que acessar o Garcia. Já os motoristas que saem do Garcia, acessam a rua Comendador José Alves.

O Metro1 entou em contato com a Polícia Militar para obter informações sobre o número de manifestantes, mas a PM afirmou que não vai divulgar números sobre o ato.

As outras manifestações que aconteceram em Salvador nesta sexta foram dispersadas por volta das 13h, quando o trânsito na capital foi normalizado e todas as vias liberadas.

De acordo com a Transalvador, bloqueios foram feitos na região para evitar congestionamento no bairro. Unidades da Transalvador estão no local monitorando a situação.

Notícias relacionadas

[Homem diz ter cometido 13 estupros em Salvador e RMS ]
Cidade

Homem diz ter cometido 13 estupros em Salvador e RMS

Por Juliana Almirante no dia 12 de Outubro de 2019 ⋅ 09:00 em Cidade

Segundo a polícia, ele oferecia as oportunidades de emprego, se passava pelo motorista de um suposto contratante, e dopava as mulheres, antes de cometer os crimes