Cidade

\'Não tinha dinheiro para divulgar minha empresa\', diz instalador que se jogava em tela de proteção

Um vídeo de um funcionário da Rede Salvar, empresa soteropolitana de telas de proteção para janelas, viralizou nas redes sociais em fevereiro deste ano e ainda chama atenção dos internautas. Luís Paulo Mendes da Silva, de 30 anos, aparece se jogando contra a tela para provar a qualidade do material. Neste sábado (6), o instalador e dono da empresa - que trabalha há 15 anos no comércio de rede de segurança - conversou com o apresentador Luis Ganem, durante o programa Empreenda, da Rádio Metrópole.[Leia mais...]

[\'Não tinha dinheiro para divulgar minha empresa\', diz instalador que se jogava em tela de proteção]
Foto : Laura Lorenzo/Metropress

Por Jessica Galvão e Laura Lorenzo no dia 06 de Maio de 2017 ⋅ 16:00

Um vídeo de um funcionário da Rede Salvar, empresa soteropolitana de telas de proteção para janelas, viralizou nas redes sociais em fevereiro deste ano e ainda chama atenção dos internautas. Luís Paulo Mendes da Silva, de 30 anos, aparece se jogando contra a tela para provar a qualidade do material. Neste sábado (6), o instalador e dono da empresa - que trabalha há 15 anos no comércio de rede de segurança - conversou com o apresentador Luis Ganem, durante o programa Empreenda, da Rádio Metrópole.

'Fiz o vídeo em novembro do ano passado. Agora em fevereiro começou a ligar gente de todo o Brasil para me dizer 'rapaz, você tem muita coragem, isso que é um serviço com qualidade'. Eu pulo na rede desde os meus 20 anos, quando abri meu próprio negócio', disse Luís.

O empresário queria uma forma diferente para tornar sua empresa conhecida. 'Eu nao tinha dinheiro para divulgar minha empresa, então chamei por Deus e disse, tenho que fazer algo diferente. E eu confio na minha rede. Não é só a rede, é a instalação que tem que ser bem segura com ganchos bem fixados e apertados', falou.

De tanto sucesso que fez, o vídeo de Luis foi parar no Ministério Público do Trabalho (MPT). Foi feito um termo de ajustamento de conduta para proibir que ele viesse a pular na rede para fazer o teste de qualidade. O MPT entendeu que poderia haver um dano a vida e por conta disso acabou instaurando um inquérito para poder deliberar sobre isso. Em entrevista ao Empreenda, o advogado Danilo Costa comentou se essa ação do Ministério Público do Trabalho élegal, mesmo sendo Luis o dono do seu próprio negócio.

'O senhor Luis como microempreendedor, ele tem duas pessoas: a Jurídica, da empresa dele, e a Física, como cidadão que trabalha para ele mesmo. Não deixa de existir as duas pessoas. Diante disso, qualquer coisa que venha a afetar a relação de trabalho ou garantias constitucionais pode sim ser objeto de inquérito civil pelo Ministério Público do Trabalho. Nesse caso, em específico, eu entendo que o Ministério agiu com muita prudência. Para além de proteger a vida do próprio Luis para também ser didático e mostrar para outras pessoas que esse tipo de publicidade, que põe em risco a vida de qualquer pessoa, seja ela mesma ou a de terceiros, isso é passível de ação civil pública', disse o advogado à Rádio Metrópole.

Notícias relacionadas