Cidade

Por trás das placas de metal, futuro Shopping Bosque ainda é só escombro

Uma matéria desta semana do jornal A Tarde mostrou que as obras de construção do Shopping Bosque, que será erguido no lugar do antigo Aeroclube, não têm previsão para começar, um ano após a apresentação oficial do projeto. Em meio à crise econômica, o então denominado Grupo Jereissati teria solicitado à Prefeitura de Salvador uma extensão do prazo de 24 meses para conclusão do empreendimento. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Ticiane Bicelli no dia 15 de Agosto de 2015 ⋅ 14:30

Uma matéria desta semana do jornal A Tarde mostrou que as obras de construção do Shopping Bosque, que será erguido no lugar do antigo Aeroclube, não têm previsão para começar, um ano após a apresentação oficial do projeto. Em meio à crise econômica, o então denominado Grupo Jereissati teria solicitado à Prefeitura de Salvador uma extensão do prazo de 24 meses para conclusão do empreendimento. 

Mário Kertész comentou na Metrópole o destino incerto do local. “Existem dois Jereissati: Carlos Jereissati e o senador Tasso Jereissati, do Ceará, que tem shoppings no Nordeste. O senador é quem iria participar do Shopping Bosque e desistiu definitivamente dos investimentos, por causa da grave crise que estamos vivendo”, pontuou.

O chefe da Casa Civil do Município, Luiz Carreira, afirmou que ainda não recebeu informação sobre a desistência e que a Prefeitura está avaliando a extensão do prazo. “Até então, não temos nenhuma notícia. Ele [Tasso] reafirmou o desejo de continuar o empreendimento. Não recebemos nenhuma notificação, nem informal. Na última vez que o senador esteve aqui, reafirmou o propósito de continuar e buscar novos investidores para viabilizar o empreendimento. Ele apenas ressaltou a questão das dificuldades diante do cenário recessivo da economia”. De acordo com Carreira, o alvará de construção ainda não foi emitido por causa da possibilidade de alteração do projeto.

Posição "nos próximos dias"

O prazo inicial para o empreendimento ficar pronto era o início de 2017. Com a indefinição, não há como prever uma data de conclusão. Enquanto isso, a área descampada à beira-mar segue cercada por um tapume metálico. “A partir da concessão do alvará, eles teriam um prazo para conclusão. No entanto, o alvará não foi concedido ainda, porque eles estão fazendo ajustes no projeto. Teremos uma posição nos próximos dias”, diz Carreira.  Ainda segundo o chefe da Casa Civil, o setor tem comentado “as dificuldades de conseguir investidores e até de concluir empreendimentos em curso”.

 

Notícias relacionadas