Cidade

Com saúde e segurança precárias, população de Vera Cruz exige melhorias

Falta infraestrutura, segurança e saúde para os moradores de Vera Cruz, na Ilha de Itaparica. Os problemas são tantos que fica até difícil enumerar o que é mais urgente na cidade, comandada há seis anos pelo prefeito Magno do PT. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Leitor/Metro1

Por Bárbara Silveira no dia 28 de Maio de 2015 ⋅ 14:06

Falta infraestrutura, segurança e saúde para os moradores de Vera Cruz, na Ilha de Itaparica. Os problemas são tantos que fica até difícil enumerar o que é mais urgente na cidade, comandada há seis anos pelo prefeito Magno do PT. “O que tem afligido muito a população na Ilha é a questão da acessibilidade: as estradas estão totalmente danificadas e não é por conta do período de chuva, porque são problemas antigos que vêm se arrastando”, conta a delegada e líder dos moradores de Vera Cruz, Lenise Ferreira.

Com o único hospital público fechado há quatro anos, o atendimento de casos de emergência — que são feitos em postos de saúde ou em outra cidade — também são prejudicados pelas condições precárias. “As ambulâncias não podem trafegar, as vans que transportam os passageiros não estão podendo acessar, não temos condições de chegar ao trabalho, está todo mundo sendo prejudicado. O único hospital da Ilha não funciona. Não nasce uma criança há cerca de quatro anos”, conta. Diante de tantos problemas, a administração municipal permanece de braços cruzados, e os moradores, então, decidiram recorrer ao governo do estado para tentar pôr fim ao abandono da cidade.

“A população está muito unida e já não suporta mais ver o seu prefeito ir para Brasília em busca de verba em nome do caráter de emergência que está o município e nós não vermos o emprego dessa verba nas melhorias dos serviços públicos. A população deu um basta, deu um grito. Já fomos à Secretaria de Segurança Pública pedindo uma audiência. Iremos à Secretaria de Saúde e onde mais for necessário. Não recorremos ao Município por conta da incompetência e da falta de sensibilidade por parte do poder público municipal”, reclama Lenise.

Prefeito se cala e secretário diz que culpa, acredite, é do povo

Procurado pelo Jornal da Metrópole, o prefeito Magno do PT, como sempre que há denúncias sobre o Município, não respondeu sobre os problemas, alegando estar em viagem — uma viagem que provavelmente o deixou afônico, pelo visto.

Porém, segundo o secretário de Infraestrutura, Pedro Alcântara, a população e a chuva são as responsáveis pelo inúmeros transtornos. “Depois do surgimento da notícia que vem uma ponte para a Ilha, nosso município foi invadido e as pessoas estão fazendo casas de qualquer jeito”, afirma. Segundo o secretário, a Prefeitura tem feito a sua parte. “Satisfatória [a infraestrutura] não está, mas o prefeito Magno, na medida do possível, vem fazendo suas obrigações”, jura.

Fora da rota turística

Em qualquer outro lugar, uma região tão bonita e banhada pelo mar teria o turismo como uma das suas principais fontes de renda. Mas em Vera Cruz, a beleza natural tem sido apagada pelo abandono.

“Essa região tinha como veia principal o turismo, um turismo que já não é respeitado há muitos anos, tanto que nós não fazemos parte de nenhum roteiro oficial do governo do estado. Nós não temos a valorização do próprio poder público municipal, que diz que o que acontece hoje na Ilha é em razão da invasão da população”, reclama Lenise.

Sobre a suposta ‘invasão’ atribuida pelo secretário, os moradores afirmam que as habitações irregulares contam com a inércia do Município. “Existem muitas invasões por falta de ação da Prefeitura e também por deficiência da Polícia Militar, que não tem efetivo suficiente. Muitas dessas invasões foram feitas em troca de votos, todo mundo sabe disso”, denuncia a líder dos moradores.

Comentarios

Notícias relacionadas

[Acidente com caminhão deixa um morto e seis feridos]
Cidade

Acidente com caminhão deixa um morto e seis feridos

Por Rodrigo Daniel Silva/Cristiele França no dia 17 de Julho de 2018 ⋅ 09:23 em Cidade

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, um idoso não resistiu aos ferimentos; cinco vítimas são mulheres