Cidade

Dauster diz que integração metropolitana é \"grande passo para redução de custos\"

O chefe da Casa Civil da Bahia, Bruno Dauster, foi entrevistado por José Eduardo, na Rádio Metrópole, na manhã desta quarta-feira (27), e falou sobre o acordo de integração entre os ônibus metropolitanos e os de Salvador. A negociação, que durou pelo menos três anos, chegou a um consenso na última terça-feira (26) em uma reunião no Ministério Público da Bahia (MP-BA). A decisão começa a valer no dia 1º de outubro. [Leia mais...]

[Dauster diz que integração metropolitana é \
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Gabriel Nascimento e Matheus Morais no dia 27 de Setembro de 2017 ⋅ 09:17

O chefe da Casa Civil da Bahia, Bruno Dauster, foi entrevistado por José Eduardo, na Rádio Metrópole, na manhã desta quarta-feira (27), e falou sobre o acordo de integração entre os ônibus metropolitanos e os de Salvador. A negociação, que durou pelo menos três anos, chegou a um consenso na última terça-feira (26) em uma reunião no Ministério Público da Bahia (MP-BA). A decisão começa a valer no dia 1º de outubro.

De acordo com Dauster, \"quem ganha é a população\". \"Quem estava indo de sua casa para o trabalho e vice-versa, acabava pagando mais. Hoje é dia de comemoração. Demos um grande passo para a redução de custos. O passageiro hoje paga só uma tarifa e a integração prosseguirá\", afirmou.

Questionado sobre a demora do acordo entre Governo e Prefeitura, o secretário disse não entender. \"Não consigo explicar. Nós fizemos um passo adicional, a promessa do governador Rui Costa (PT) que reduziria o ICMS do diesel dos ônibus no momento em que a integração fosse feita. Ontem eles aceitaram essa permuta. Eles aceitaram que nosso passageiro metropolitano fosse integrado sem pagar outra passagem\", concluiu.

Notícias relacionadas

[Fabrício Queiroz movimentou R$ 7 milhões em três anos]
Cidade

Fabrício Queiroz movimentou R$ 7 milhões em três anos

Por Leo Sousa no dia 20 de Janeiro de 2019 ⋅ 10:00 em Cidade

Nos arquivos do Coaf consta que as movimentações financeiras de ex-motorista de Flávio Bolsonaro tiveram um volume maior do que o que foi divulgado em dezembro