Cidade

Quatro casas são condenadas após desabamento no Rio Vermelho

Familiares deixaram residência momentos antes do desabamento

[Quatro casas são condenadas após desabamento no Rio Vermelho]
Foto : Gil Santos/Correio

Por Metro1 no dia 08 de Maio de 2018 ⋅ 17:00

Quatros casas foram condenadas na manhã de hoje (8), após desabamento parcial de outro imóvel na localidade do Alto da Sereia, no Rio Vermelho. Engenheiros da Defesa Civil de Salvador (Codesal) solicitaram a evacuação das residências, por causa do risco de novas ocorrências.

A propriedade que desabou pertence à Iracema Lima Antunes, que morava no local com um filho, a filha Dalila Antunes, 19 anos, e o neto Vicente, 2. Dalila suspeitou do risco de desabamento após ouvir um barulho e perceber rachaduras na parede. Mãe e filha decidiram ir para a casa de um familiar. Contudo, Dalila voltou ao imóvel com Vicente para atender uma ligação. Assim que saíram, a casa desabou.

Além do imóvel, outras três residências foram condenadas pela Codesal. A maioria das casas da localidade pertence a mesma família, que já mora na região há mais de 40 anos e disse que nunca houve ocorrência de desabamento no local.

"Nunca teve nada, mas a gente já tinha pedido que fosse feita uma contenção no local como prevenção, porque a gente mora muito próximo da praia e sempre pode ceder ou ter uma infiltração. Esperaram acontecer uma tragédia. Graças a Deus não teve nenhuma vítima, mas está todo mundo desabrigado", declarou Elaine Leal, prima de Iracema, ao Correio.

O engenheiro da Codesal, Expedito Filho, disse que houve uma sobrecarga na encosta por conta das construções, o que contribuiu para o desabamento. Ainda segundo ele, os prédios condenados devem ser demolidos. Os moradores das residências atingidas foram cadastrados pelo governo municipal para receber auxílio moradia. Por enquanto, eles continuam abrigados na casa de familiares.

Notícias relacionadas

[Mercado Municipal de Cajazeiras: 2 anos em reforma ]
Cidade

Mercado Municipal de Cajazeiras: 2 anos em reforma 

Por Alexandre Galvão no dia 19 de Setembro de 2019 ⋅ 09:00 em Cidade

A Superintendência de Obras Públicas (Sucop) não respondeu, mas o Diário Oficial do Município denunciou: a empresa vencedora da licitação foi a Qualy Engenharia