Cidade

Presidente de sindicato dos taxistas acusa Lorena Brandão de distorcer projeto

Dênis Paim critica também a demora na tramitação do texto na Câmara Municipal

[Presidente de sindicato dos taxistas acusa Lorena Brandão de distorcer projeto]
Foto : Leitor Metro1

Por Adelia Felix e Lara Curcino no dia 12 de Agosto de 2019 ⋅ 18:48

O presidente da Associação Geral dos Taxistas, Dênis Paim, disse hoje (12), em entrevista à Rádio Metrópole, que a vereadora Lorena Brandão (PSC), relatora do projeto de regulamentação dos aplicativos de transporte, modificou os termos da proposta inicial.

“A situação é complicadíssima. Foi discutido o texto com o pessoal de aplicativo, com os taxistas, com o secretário de Mobilidade Fábio Mota. O Executivo fez uma regulamentação totalmente diferente que favorecia taxistas e aplicativos. E, a vereadora Lorena Brandão distorceu o texto todo. Tirou a questão da prefeitura poder fiscalizar, poder taxar. E, o próprio prefeito da cidade de Salvador argumenta que não pode fiscalizar um aplicativo que não tenha limite”, criticou ele. 

Paim afirmou ainda que os taxistas não são contrários a plataformas como a Uber, mas que a categoria está lutando por um funcionamento justo. “Estamos reivindicando a regulamentação dos aplicativos. Nós não aguentamos mais isso. Uma cidade com 7 mil taxistas contra mais de 40 mil em transporte por aplicativo”.

Os motoristas de táxi protestaram hoje em diversos pontos de Salvador. O presidente da associação explica que, além das alterações na proposta, a demora na tramitação do texto é motivo de insatisfação. “Já tem mais de um ano que esse texto encontra-se na Câmara de Vereadores. Saiu do Executivo. E, até hoje os vereadores só prometem colocar em votação”, disse.

Notícias relacionadas

[Ônibus voltam a circular no bairro de Santa Cruz]
Cidade

Ônibus voltam a circular no bairro de Santa Cruz

Por Juliana Rodrigues no dia 16 de Agosto de 2019 ⋅ 12:03 em Cidade

Veículos deixaram de entrar na localidade na noite de ontem (15), quando homens armados invadiram uma casa e fizeram moradores reféns por mais de uma hora