Cultura

\"Tenho direito de não gostar\", diz Netinho sobre pagode baiano

Ao ser questionado sobre a continuidade do Axé e da representatividade do estilo musical no atual panorama musical, o cantor Netinho falou sobre a carreira de Saulo, considerado por ele um dos principais expoentes da música baiana. \"Meu querido Saulo, sinto saudade dele, a gente se encontra pouco. Poderia ser Saulo o representante, não digo nem do Axé, mas do Brasil. Ele é um cara que vai além da Bahia\", disse o artista. [Leia mais...]

[\
Foto : Matheus Simoni/ Metropress

Por Matheus Simoni no dia 29 de Setembro de 2017 ⋅ 18:40

Ao ser questionado sobre a continuidade do Axé e da representatividade do estilo musical no atual panorama musical, o cantor Netinho falou sobre a carreira de Saulo, considerado por ele um dos principais expoentes da música baiana. \"Meu querido Saulo, sinto saudade dele, a gente se encontra pouco. Poderia ser Saulo o representante, não digo nem do Axé, mas do Brasil. Ele é um cara que vai além da Bahia\", disse o artista, em entrevista à Rádio Metrópole, durante o Jornal da Cidade 2ª Edição desta sexta-feira (29).

Netinho também falou sobre o pagode baiano. Ele negou ser fã do ritmo, mas destacou que é amigo de artistas como Léo Santana e Xanddy. \"Não gosto do teor das músicas que eles fazem. Tenho direito de não gostar, isso é normal. Respeito o pagode baiano, mas não gosto\", finalizou.

Notícias relacionadas

[O Cravinho muito cheio... no Pelô meio vazio]
Cultura

O Cravinho muito cheio... no Pelô meio vazio

Por James Martins no dia 10 de Janeiro de 2019 ⋅ 11:10 em Cultura

Bar dribla crise do Pelourinho e atrai turistas e, o que é mais surpreendente, baianos, todos os dias da semana