Economia

Emprego na indústria tem queda histórica de 6,2% em 2015

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelaram que o emprego na indústria teve uma queda de 6,2% no último ano, sendo considerada a maior baixa desde o início da série histórica, iniciada em 2002. [Leia mais...]

[Emprego na indústria tem queda histórica de 6,2% em 2015]
Foto : Agência Brasil

Por Gabriel Nascimento no dia 18 de Fevereiro de 2016 ⋅ 11:46

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelaram que o emprego na indústria teve uma queda de 6,2% no último ano, sendo considerada a maior baixa desde o início da série histórica, iniciada em 2002. Em dezembro, na comparação com o mês anterior, a diminuição foi mais branda, de 0,6%. Entretanto, frente a dezembro de 2014, o tombo foi de 7,9%, 51º resultado negativo seguido.

Todos os ramos da indústria, no ano, registraram queda no emprego. As maiores quedas vieram dos segmentos de meios de transporte (-11,4%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-13,9%), produtos de metal (-10,7%), máquinas e equipamentos (-8,3%).

No início do mês de fevereiro, o IBGE mostrou que a produção da indústria brasileira encerrou o ano passado com queda acumulada de 8,3%. Foi o maior recuo da série, neste caso, iniciada em 2003. Na comparação com novembro, a atividade fabril sofreu redução de 0,7% e diante de dezembro do ano anterior, de 11,9%.

 

Notícias relacionadas

[Em retração, classes A e B ganham 464 mil negros]
Economia

Em retração, classes A e B ganham 464 mil negros

Por Clara Rellstab no dia 13 de Agosto de 2018 ⋅ 11:00 em Economia

Estudo afirma que movimento vai na direção oposta ao que ocorreu no Brasil no ano passado, quando 800 mil pessoas deixaram as classes mais altas

[Vendas do varejo caem 0,3% em junho, aponta IBGE]
Economia

Vendas do varejo caem 0,3% em junho, aponta IBGE

Por Clara Rellstab no dia 10 de Agosto de 2018 ⋅ 12:40 em Economia

Segundo divulgado hoje (10) pelo IBGE, a taxa de maio foi revisada para queda de 1,2%, devido à greve dos caminhoneiros