Economia

Emprego na indústria tem queda histórica de 6,2% em 2015

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelaram que o emprego na indústria teve uma queda de 6,2% no último ano, sendo considerada a maior baixa desde o início da série histórica, iniciada em 2002. [Leia mais...]

[Emprego na indústria tem queda histórica de 6,2% em 2015]
Foto : Agência Brasil

Por Gabriel Nascimento no dia 18 de Fevereiro de 2016 ⋅ 11:46

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelaram que o emprego na indústria teve uma queda de 6,2% no último ano, sendo considerada a maior baixa desde o início da série histórica, iniciada em 2002. Em dezembro, na comparação com o mês anterior, a diminuição foi mais branda, de 0,6%. Entretanto, frente a dezembro de 2014, o tombo foi de 7,9%, 51º resultado negativo seguido.

Todos os ramos da indústria, no ano, registraram queda no emprego. As maiores quedas vieram dos segmentos de meios de transporte (-11,4%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-13,9%), produtos de metal (-10,7%), máquinas e equipamentos (-8,3%).

No início do mês de fevereiro, o IBGE mostrou que a produção da indústria brasileira encerrou o ano passado com queda acumulada de 8,3%. Foi o maior recuo da série, neste caso, iniciada em 2003. Na comparação com novembro, a atividade fabril sofreu redução de 0,7% e diante de dezembro do ano anterior, de 11,9%.

 

Comentarios

Notícias relacionadas

[Atividade econômica cresce 0,46% em abril]
Economia

Atividade econômica cresce 0,46% em abril

Por Metro1 no dia 15 de Junho de 2018 ⋅ 12:40 em Economia

O índice incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária, além do volume de impostos

[PIB do país pode patinar em 1,3%, diz jornal]
Economia

PIB do país pode patinar em 1,3%, diz jornal

Por Metro1 no dia 11 de Junho de 2018 ⋅ 13:40 em Economia

Segundo o Estadão, a tendência será confirmada caso a trajetória atual das contas do governo permanecer inalterada e nenhuma nova reforma fiscal for aprovada