Economia

Emprego na indústria tem queda histórica de 6,2% em 2015

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelaram que o emprego na indústria teve uma queda de 6,2% no último ano, sendo considerada a maior baixa desde o início da série histórica, iniciada em 2002. [Leia mais...]

[Emprego na indústria tem queda histórica de 6,2% em 2015]
Foto : Agência Brasil

Por Gabriel Nascimento no dia 18 de Fevereiro de 2016 ⋅ 11:46

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelaram que o emprego na indústria teve uma queda de 6,2% no último ano, sendo considerada a maior baixa desde o início da série histórica, iniciada em 2002. Em dezembro, na comparação com o mês anterior, a diminuição foi mais branda, de 0,6%. Entretanto, frente a dezembro de 2014, o tombo foi de 7,9%, 51º resultado negativo seguido.

Todos os ramos da indústria, no ano, registraram queda no emprego. As maiores quedas vieram dos segmentos de meios de transporte (-11,4%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-13,9%), produtos de metal (-10,7%), máquinas e equipamentos (-8,3%).

No início do mês de fevereiro, o IBGE mostrou que a produção da indústria brasileira encerrou o ano passado com queda acumulada de 8,3%. Foi o maior recuo da série, neste caso, iniciada em 2003. Na comparação com novembro, a atividade fabril sofreu redução de 0,7% e diante de dezembro do ano anterior, de 11,9%.

 

Notícias relacionadas

[Governo deve bloquear R$ 29,8 bilhões do Orçamento deste ano]
Economia

Governo deve bloquear R$ 29,8 bilhões do Orçamento deste ano

Por Juliana Almirante no dia 22 de Março de 2019 ⋅ 14:00 em Economia

Dados constam no primeiro Relatório Bimestral de Receitas e Despesas, por meio do qual o Ministério da Economia atualiza projeções para indicadores fiscais e macroeconômi...

[Boeing suspende entregas do 737 MAX]
Economia

Boeing suspende entregas do 737 MAX

Por Kamille Martinho no dia 15 de Março de 2019 ⋅ 17:20 em Economia

O porta-voz da companhia AFP também descartou a possibilidade de reduzir o ritmo de produção do modelo