Economia

Com perda de força, inflação oficial fica em 0,9% em fevereiro, segundo IBGE

Um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou que o Índice de Preços ao Consumidor - Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, ficou em 0,9% em fevereiro, depois de subir 1,27% no mês anterior. [Leia mais...]

[Com perda de força, inflação oficial fica em 0,9% em fevereiro, segundo IBGE]
Foto : Reprodução/Fotos Públicas

Por Gabriel Nascimento no dia 09 de Março de 2016 ⋅ 13:09

Um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou que o Índice de Preços ao Consumidor - Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, ficou em 0,9% em fevereiro, depois de subir 1,27% no mês anterior. No ano, o índice acumula alta de 2,18% e, em 12 meses, de 10,36%.

“Apesar de a inflação ter fechado o ano de 2015 em mais de 10%, o repasse não chegou a 8% [nos cursos regulares]. Ficou no mesmo nível dos anos anteriores. Isso mostra uma certa cautela em repassar [esses aumentos]. O que se está vendo nesse ano nas mensalidades escolares é que algumas até recuaram", disse a coordenadora de índice de preços do IBGE, Eulina Nunes dos Santos.

Neste mês, o IPCA foi fortemente influenciado pelo comportamentod e dois tipos de despesas, com educação e com alimentos. Enquanto a alta dos gastos relativos à educação subiu – de 0,31% em janeiro para 5,90% no mês seguinte –  reflexo do período de início das aulas, o avanço dos preços dos alimentos caiu pela metade (de 2,28% para 1,06%).

Assim como os alimentos, também desacelerou a variação de preços de transportes (de 1,77% para 0,62%), puxada pela queda de 15,83% nas passagen aéreas. Por outro lado, subiram os preços de ônibus urbanos (2,61%), ônibus intermunicipais (2,17%), etanol (4,22%) e gasolina (0,55%).

 

Notícias relacionadas

[Inadimplência no país cresce 4,41% em 2018]
Economia

Inadimplência no país cresce 4,41% em 2018

Por Juliana Rodrigues no dia 15 de Janeiro de 2019 ⋅ 22:00 em Economia

Cerca de 62,6 milhões de brasileiros fecharam o ano com alguma conta em atraso e restrições no CPF, segundo dados da CNDL e do SPC